• Postado por Tiago

INTERNA_11_matéria-direita_antônio-oyamburo-filho_foto-luz-clarita-(3)

Burocracia: Antônio precisa ir ao Uruguai só pra pegar um carimbo

A burocracia é um entrave na vida de seu Antônio Oyamburo Filho, 61 anos. A filha dele, Fabielly, nasceu no Uruguai e para obter a dupla nacionalidade precisa só de um carimbo e uma assinatura do consulado brasileiro lá no país vizinho. O problema é que a menina já vai fazer 15 anos e seu Antônio não tem dinheiro pra bancar a viagem até o Uruguai.

O coitado já procurou tudo quanto é cartório, polícias Federal e Civil. Chegou até a ir no consulado uruguaio em Floripa. Todos afirmaram que para a menina conseguir a dupla nacionalidade deve receber na certidão de nascimento uruguaia carimbo e assinatura do consulado brasileiro. ?Quanto mais velha (a menina) mais difícil pra resolver. Tenho que ver isso enquanto tenho força?, desabafa.

Seu Antônio nasceu no Rio Grande do Sul e viveu durante 40 anos no Uruguai. Antes de vir para Itajaí, morou em Manaus, no Amazonas. Lá, um cartório traduziu a certidão de nascimento da menina. Como a certidão não possui o carimbo do consulado, ela não serve pra retirar uma carteira de identidade brasileira, mesmo os pais sendo tupiniquins.

Pra ir até a cidade de Rivera, na fronteira com o município gaúcho de Santana do Livramento, as passagens de ida e volta da dupla custariam apenas R$ 585. O problema é que seu Antônio tá desempregado e não tem um puto dum tostão. O medo dele é que a menina cresça sem poder usufruir de benefícios do governo brasileiro. Pra estudar em escola estadual já foi um sufoco e seu Antônio conta que só conseguiu pela boa vontade do pessoal da gerência Regional de Educação. O telefone de contato de seu Antônio é o (47) 9153-4520.

  •  

Deixe uma Resposta