• Postado por Tiago

A diarista Marlete Santana, 35 anos, tá cabreira com o pessoal do supermercado Mauroos, que fica na rua Nilson Edson dos Santos, no São Vicente, em Itajaí. Ela conta que mandou a sobrinha comprar um pão caseiro no sábado e venderam o produto com o prazo de validade já caducado.

Marlete não se conforma com o que fizeram com sua sobrinha. “O pão já tava vencido há dias e eles venderam pra menina”, bufa. O pior, reclama ainda, é que não quiseram trocar o pão quando ela foi até o mercado. “Só depois, quando a mãe da minha sobrinha teve lá, é que eles devolveram o dinheiro do pão”, contou.

Mauro Vitor, dono do mercado, disse que o tal pão caseiro não tava vencido coisa nenhuma. Ele explica que o produto é embalado com a data de fabricação e na etiqueta aparece bem claro que pode ser consumido em até cinco dias. “A menina comprou o pão que tinha sido fabricado dois dias antes, mas não tava vencido, ainda tinha três dias pra consumí-lo”, garante, completando: “Essa senhora esteve aqui querendo um pão fabricado no dia e que fizéssemos a troca”, relata.

Mauro diz que sua filha não trocou o produto por não ter problema algum com ele e que, quando o dinheiro foi solicitado de volta, ele devolveu prontamente.

  •  

Deixe uma Resposta