• Postado por Tiago

Alunada passou a manhã na parte de fora do colégio, protestando contra o exagero da direção

Uns 30 alunos do colégio estadual João Goulart, que fica no centro de Balneário Camboriú, passaram a manhã de ontem fora da escola. Foram colocados pra fora do colégio de manhã por chegarem atrasados ou estarem sem o uniforme. Como muitos não tinham pra onde ir, ficaram na frente da escola, revoltados, pedinchando pra ter aula. Pra controlar o berreiro, a polícia militar foi chamada.

Na semana passada uma das diretoras do João Goulart teria passado de sala em sala avisando que a folgação dos estudantes iria acabar dia 31 de agosto. Todos teriam que chegar até as 7h30, quando bate o sino, e estar de uniforme. Senão, babau, tia chica: quem não obedecesse, seria mandado embora. ?Tiveram o ano inteiro pra cobrar e resolveram cobrar agora, quando o ano já está quase no fim?, lasca Raíssa Soares, 16 anos, que chegou cinco minutos depois do sino e teve que sijuntar aos colegas atrasados.

O estudante A.P.F, 17, chegou na hora. Mas tava sem uniforme e também teve que dar meia volta. Como tá estudando pra fazer vestibular, fez de tudo pra não perder a aula. Foi pra casa, trocou de roupa e voltou crente que poderia entrar na sala. ?Quando cheguei aqui não me deixaram entrar também?, reclama.

Com a cabeça quente, alunos tentaram botar abaixo o portão lateral da escola. Alguns marmanjos até conseguiram entrar, mas foram descobertos pela direção e ganharam um pé na bunda dinovo.

Como a gurizada dimenor não saiu da frente da escola, a PM foi chamada pra fazer o pessoal debandar. ?O policial militar disse pra gente: como não tem como ir pra casa, pode dar uma volta por aqui e depois volta?, conta a aluna do segundo ano, Fernanda Lopes, 16.

A alunada passou o resto da manhã de ontem sentada na calçada ou no ponto de buso na frente do colégio. Ficaram por lá até o meio dia, quando bateu o sinal de saída. Alguns contam que nem falaram do entrevero pros seus pais.

Já outros levaram os pais até o local. Nem com o pedincho do papai, a adolescente atrasada pode entrar. ?Eles não dão a mínima. A responsabilidade por nós é da escola. Era pra gente estar lá dentro?, lascou Danielly Rodrigues Neto, 17, que passou a manhã sentada na calçada em frente ao colégio.

Os conselheiros tutelares de Balneário informaram que não sabiam do rolo até o fim da manhã, mas prometeram sinformar da treta pra intimar os responsáveis. Nenhuma criança ou adolescente pode ficar fora da escola.

Estado vai averiguar

Maria Alice Pereira, gerente regional da Educação, também prometeu que vai averiguar a treta. Explica que a escola firmou acordo com os pais pra exigir que a alunada chegue à escola na hora certa e, se possível, com o uniforme pra facilitar a identificação.

A chefona regional da Educação acredita que deve ter rolado algum exagero na exigência, já que os dimenores passaram a manhã no olho da rua. ?Deixar o aluno solto sem os pais serem comunicados, não pode?, admitiu. Maria Alice ressalta que o João Goulart tem 1500 alunos e a direção pena um bocado pra manter a ordem no local.

A diretora da escola não foi encontrada ontem pra comentar o assunto. Nas três tentativas o DIARINHO foi informado que ela estava em curso e não poderia atender a imprensa.

  •  

Uma Resposta to “Diretora mão de ferro deixa 30 alunos fora da escola”

  1. mignon Diz:

    Quero ver a tal diretora dar as caras, haha!

Deixe uma Resposta