• Postado por Tiago

A noite de terça-feira não foi boa pra dois rapazotes de sobrenome Oliveira, mas aparentemente de famílias difentes. Pelas 22h30, Evangelor de Oliveira, 23 anos, tomou quatro balaços quando passava pela rua Guamirim, no bairro Tabuleiro, mas guentou o tranco. Uma hora depois, foi a vez do Ronyan de Oliveira, 25, levar quatro tirombaços na rua Monte Pamir, no bairro Conde Vila Verde. Ele não resistiu e morreu no local. A polícia civil investiga se os dois estariam envolvidos com a bandidagem.

Os tiros que furaram o couro de Evangelor de Oliveira saíram da arma de um desconhecido que tava numa ziquinha. O vagabundo mandou quatro azeitonas contra o cara e simandou. A vítima tomou um tiro no braço esquerdo, dois na perna e um pipoco de raspão no peito. Ele foi socorrido pelo Samu e levado pro hospital Santa Inês, onde permanece internado.

Já Ronyan foi encontrado caído na frente da casa 425 da rua Monte Pamir com três tiros no peito e um no braço esquerdo. Quando o povão viu, o servente de pedreiro já tinha esticado as canelas. O corpo foi recolhido pra perícia do Instituto Médico Legal (IML) de Balneário Camboriú e liberado ontem pro enterro em Camboriú.

A galera que vive por lá jura que não viu o assassinato rolar e não soube dar qualquer informação que ajudasse a identificar os assassinos. Os homisdalei assumiram as duas investigações e tentam descobrir, agora, se as vítimas tavam metidas com a bandidagem ou com o tráfico de drogas, que poderia ter motivado um acerto de contas. Os tiras querem saber também se Evangelor e Ronyan são parentes, já que têm o mesmo sobrenome.

  •  

Deixe uma Resposta