• Postado por Tiago

INTERNA_13_base_rua-de-são-miguel_foto-luz-clarita-(1)

Ruas da prainha tão viradas num alho

A dona de casa Maria das Neves de Souza, 38 anos, de Itajaí, ficou dicara quando foi dar uma bizolhada em como anda um imóvel de sua propriedade na prainha de São Miguel, em Penha. Conta que quase caiu pra trás quando viu o estado da rua.

Das Neves resolveu desabafar com o DIARINHO porque tá com medo de perder o inquilino por conta do descaso da prefeitura de Penha. A rua Sidnei, onde está a casa da leitora, fica no acesso à praia da Galhetinha. Quando comprou, há oito anos, ela achou que o lugar ia valorizar. A dona de casa comenta que várias casas estão com placas de vende-se, sinal de que algo está errado no lugar. Das Neves alerta que se continuar o descaso da prefeitura para com a prainha, fica difícil aparecer turistas no verão.

Quando chove piora

O problema maior acontece, diz ela, quando chove. As ruas viram uma nojeira e enchem de buracos. Teve dia que o único acesso à localidade ficou interditado. Há dois meses o muro da sua casa caiu porque uma vala se formou na estrada, no limite do terreno.

O DIARINHO foi ontem até a prainha de São Miguel e viu que a coisa é ainda mais feia. Além da rua Sidnei, a João José da Conceição tá virada num alho.

Querem canalizar a água

A prefa tá estudando um projeto para canalizar a água da chuva que desce dos morros. Esta seria a principal causa dos buracos na Prainha de São Miguel. O diretor de obras, Paulo Cesar Vilbert, conta que a ideia é tubular a região. A prefeitura ainda tá vendo com os engenheiros qual o modo de tocar o projeto pra frente.

Paulo diz que a secretaria de obras teve que esperar a liberação da licitação para a compra de macadame e por isso tá demorando pra dar uma garibada na rua. O barro deve chegar na semana que vem.

O diretor de obras admite que os problemas da Prainha dão muita dor de cabeça para a administração municipal. ?Qualquer chuvinha já abre buraco?, afirma. A prefa tinha passado macadame em quase todas as ruas do lugar quando rolou a última enxurrada e detonou mais uma vez as estradas.

  •  

Deixe uma Resposta