• Postado por Tiago

A denúncia de irregularidades em escolas particulares de educação infantil da Maravilha do Atlântico promete render pano pra manga. A dona de um dos colégios dedurados ao ministério público pelo conselho de educação (Conseme) jura que não tem nada de errado com sua documentação e promete tomar satisfações com o prefeito Edson Periquito (PMDB).

O rolo todo começou há um mês, quando o Conseme divulgou que das 27 escolinhas espalhadas pela city, 16 tavam irregulares. Faltava projeto pedagógico, certificação da formação dos professores, e até laudo do corpo de bombeiros e da vigilância sanitária provando que o local é seguro pra petizada.

Na época, a conselheira Terezinha Micarone comentou que o conselho tava de zóio nas escolas há mais de um ano, e teria dado até dezembro de 2008 pra que fosse regularizada a situação. Mesmo assim, alguns colégios insistiram em funcionar meia-boca.

Há alguns dias, o Conseme entregou uma lista com os nomes de quem tava com alguma irregularidade ao promotor da vara da infância da city, dotô Ricardo Ponzi Selligmann. Entre os dedurados, tão os centros educacionais Pequeno Paraíso e Sonho Meu, da Vila Real, e Margirus e Conhecer, do centro.

O promotor não perdeu tempo e abriu um inquérito pra investigar as sacanagens. Ele também pedinchou à secretaria de educação do Balneário que coloque os donos das escolinhas contra a parede pra resolver a situação.

Tá tudo certo

Mas a dona da escola Conhecer, Elaine Coelho, diz que tá com toda a papelada em dia e ficou de cara quando soube que seu colégio tinha sido denunciado. “Tenho três sedes e trabalho há 12 anos em Balneário. Iamgina se iríamos funcionar sem alvará”, lasca.

Ela mostra que tá com os alvarás pagos e em dia. “Pra ter esses documentos é preciso primeiro ter o laudo dos bombeiros e o laudo sanitário. Temos tudo isso”, garante. A empresária diz ainda que todos os professores que trampam na escola são formados.

Na terça-feira, os alunos do Conhecer levaram pra casa um aviso na agenda dizendo que a escola tava nos trinques e que o conselho comeu bola. Elaine diz que marcou reunião com o prefeito e vai pedir a ele explicações sobre a confusão.

O presidente do Conseme, Cezare Isolani, diz que a dona da escola deveria ter procurado o conselho pra ter maiores explicações. “Não acredito que tenha acontecido um erro”, afirma. Ele não soube dizer o que tava faltando na documentação do Conhecer pra que a escola fosse denunciada ao MP.

  •  

Deixe uma Resposta