• Postado por Tiago

CAPA-ABRE-G-eleição-Conselho-Tutelar-Balneário-(6)

Juíza encontrou perrengues na eleição

A dona justa cassou o mandato da chapa que venceu as eleições do conselho tutelar, em Balneário Camboriú. A decisão veio depois que o Ministério Público denunciou que rolou boca de urna e carona pros eleitores durante o pleito, e a maior parte dos conselheiros eleitos tinha o rabo preso com a administração municipal. A juíza Sônia Moroso, que caneteou a sentença, mandou que a chapa que ficou em segundo lugar assuma o posto.

A eleição rolou no dia dois de agosto e quem ganhou foi a chapa um, Braços Abertos. Mas o MP recebeu várias denúncias de irregularidades e resolveu investigar o caso, antes de dar posse pros novos conselheiros. A promotora Larissa Ouriques, responsável pelo juízado da infância e juventude, pedinchou à justa que suspendesse a nomeação do pessoal da chapa um e desse posse aos candidatos da chapa dois, Sonho de Criança.

Na ação tem provas de que pelo menos duas carangas transportaram eleitores de um lado pro outro, no dia da eleição. Diz ainda que rolou boca de urna na maior cara dura. A responsável pela propaganda irregular seria a diretora da secretaria de inclusão social, Angelina Schneider. ?Em função de ser muito conhecida, estrategicamente, passou o dia inteiro em frente ao colégio eleitoral Presidente Médici, aliciando conhecidos e potenciais eleitores?, caneteia a promotora.

Pra completar, rolou uma graninha pra ajudar a imprimir papélis, financiada pelo contador da campanha do prefeito Edson Periquito (PMDB), Naifer Neri, que é abobrão do setor de compras da prefa. O MP considerou o arreguinho uma prova de que os candidatos a conselheiros tavam mancomunados com a prefa, o que é proibido. A ação diz ainda que os fatos foram motivados porque pelo menos uma integrante da chapa, Lourdes Falabrette de Oliveira, já foi filiada ao PSB, partido do vice-prefeito Cláudio Dalvesco, e concorreu a vereadora nas últimas eleições.

Em sua resposta, a juíza Sônia, responsável pela vara da infância na Maravilha do Atlântico, carca que o envolvimento das chapas com a politicagem traz problemas. ?Parece-me que Balneário Camboriú não tem lei, não tem quem se importe com a cidade, pois buscam que prevaleça sempre seus interesses?, escreve.

A dotôra ainda dá exemplo: ?O conselho tutelar exercerá livremente suas funções, sem influência partidária, em ações fiscalizatórias, por exemplo, contra os interesses daqueles que patrocinaram inteiramente sua candidatura??, questiona.

A juíza acha que o fato de as candidaturas serem por chapas favorece esse tipo de sacanagem e acaba gerando uma concorrência desleal. Por conta disso, caneteia que é preciso mudar as regras e passar a fazer a eleição individual dos conselheiros. Por fim, resolve aceitar o pedincho do MP.

Silêncio

Os candidatos da chapa um resolveram fazer boquinha de siri e não quiseram se manifestar oficialmente sobre a decisão da dona justa.

  •  

Deixe uma Resposta