• Postado por Tiago

INTERNA_16_abre_--Despejo-Praia-Brava---Dona-Ana-e-Seu-Luiz-_foto-menina-superpoderosa

Dona Ana sofreu um infarto há cinco meses. Seu Luiz faz hemodiálise três vezes por semana. Agora, os dois não têm para onde ir

Uma oficial de justiça chegou logo no começo da tarde pra dar a notícia que seu Luiz Carlos Prata Alves, 64 anos, e dona Ana Maria Alves, 70, não queriam ouvir: o casal perdeu na dona justa a briga pela posse do terreno onde mora, nos fundos da associação de cabos e soldados, na Praia Brava, em Itajaí. Seu Luiz e dona Ana tiveram que abandonar a morada, mesmo sem ter pra onde ir. O pior é que os dois sofrem com problemas graves de saúde. Seu Luiz faz hemodiálise três vezes por semana porque tá com os rins detonados e dona Ana sofreu um infarto há apenas cinco meses.

O casal tava chocado com a situação. Mal conseguia falar sobre o assunto. Enquanto os vizinhos retiravam os móveis de dentro da casa, seu Luiz só observava a cena, até que soltou: ?Vivo com o salário de aposentado. Não tenho como pagar aluguel?.

Os moradores próximos acompanharam tudo de perto, indignados. ?É um absurdo isso. Não deram nem tempo de eles arrumarem outro lugar pra morar. Chegaram com caminhão de mudança pra carregar tudo?, revolta-se a vizinha Lurdes Medeiros Cardoso, 53 anos.

A ordem de despejo foi dada pelo juiz da 1ª vara cível, dotô Osvaldo João Ranzi. A briga pela posse da terra rolava desde 1987 entre seu Luiz e o empresário Pedro Izidoro Cardoso, que mora em Floripa.

O casal de velhinhos vivia na rua Benedita Prata Alves há 26 anos. Seu Luiz diz que comprou a posse da terra de uma senhora que se chamava Miriam. Como achou que estava tudo certo, o aposentado acabou negociando a área de três mil metros com outros moradores. Hoje, todo o terreno que era de seu Luiz, está ocupado.

O advogado Márcio Cristiano Dornelles Dias, que ontem representava Pedro Izidoro, informou que o despejo de ontem era só da área de 300 metros onde seu Luiz vivia, mas a ação movida pelo seu cliente é de toda a área. Ou seja, as outras 15 famílias que hoje moram no local também tão arriscadas a serem expulsas de suas casas.

  •  

Deixe uma Resposta