• Postado por Tiago

O juiz Antônio Zanini Fornerolli, da vara da Fazenda de Florianópolism mandou a empresa Camvel/Promenac, de Itajaí, suspender a cobrança indevida de taxas de administração e devolver o dinheiro de seus consorciados. A Camvel estaria cobrando percentuais além do que permite a lei.

Pela decisão, a empresa de Itajaí deve informar por correspondência registrada ou através de um jornal de grande circulação que suspendeu a cobrança considerada abusiva e que vai devolver a grana. Isso vale tanto pra quem tá fazendo consórcio agora quanto pra quem foi cliente da Camvel nos últimos cinco anos.

A ação civil pública contra o consórcio de Itajaí foi movida pela associação Nacional de Defesa da Cidadania e do Consumidor, que tem sede em Campinas/SP. Os advogados da entidade provaram pra dona justa que a Camvel estava cobrando 14% nos consórcios de carangos, 15% nos de motocas e 25% para outros bens como taxa de administração. A lei diz que as despesas com administração de consórcio não podem ser superior a 12% quando o bem custar até 50 vezes o valor do salário mínimo. Quando o carango, a motoca, o motor de popa ou a casa passarem dos 50 salários, a taxa de administração cai para no máximo 10%.

O empresário Alexandre Werner, do grupo Promenac, disse ontem ao DIARINHO que desconhece os detalhes da ação judicial. Seria o gerente de consórcios da Camvel, de nome Adilson, quem poderia dar a versão da empresa para a imprensa. Adilson alegou que está apenas há quatro meses no cargo de gerente e não sabe da situação. Afirmou que somente Sérgio Werner, outro dono da Camvel/Promenac, poderia repassar as informações. O gerente garantiu que o empresário iria retornar a ligação para dar a versão do consórcio. Às 16h30, o DIARINHO voltou a ligar para a Camvel e a telefonista disse que Sérgio estava viajando e somente segunda-feira retornaria à empresa.

  •  

Deixe uma Resposta