• Postado por Tiago

Polícia ambiental avisa que multa pode chegar a R$ 50 milhões

Uma mancha de óleo pintou ontem nas águas do rio Camboriú, bem na altura de onde é feita a captação de água pela empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa). O estrago foi causado pelos peões que trampavam na retirada de areia, com uma draga. A polícia Ambiental de Tijucas esteve no local e flagrou a sacanagem. Eles pediram que os técnicos da Emasa façam uma análise do tamanho da lambança, e avisem que os responsáveis pela mineração vão levar uma baita multa no lombo.

As manchas podiam ser vistas ao longo do rio, e também nos dutos que levam a água pro tratamento no bairro Rio do Meio, em Cambu. Os policiais fotografaram o óleo que coloria as águas na estação da Emasa, comprovaram o derramamento, e então seguiram pra altura onde rola a retirada de areia do fundão.

Dois peões que trampavam com a monstrenga admitiram que tinham feito a troca de óleo do motor da draga, e que parte da sujeirada foi parar no rio. O que não tava dentro da água foi jogado em cima da vegetação que cobre as margens. Uma parte do líquido fedorento ainda tava dentro da embarcação, e poderia cair na água a qualquer momento. O local ficou tomado de um cheiro forte de óleo.

Os policiais ficaram dicara com a falta de simancol dos operadores da draga. ?Uma troca de óleo tem que ser feita com o maior cuidado. O material não pode ir parar dentro da água ou nas margens do rio. Além disso, eles tão comprometendo o abastecimento de água de dois municípios?, condenou o soldado Célio José Roecker.

Por sorte, os tanques de decantação da Emasa deram conta de separar o óleo da água e não foi preciso interromper a captação. Se isso tivesse rolado, o povão de Balneário Camboriú e da Capital da Pedra poderiam ficar com as torneiras vazias. ?Como a quantidade não foi muito grande, o óleo que é captado com a água flutua e é retirado antes do tratamento. Não vai ter nenhuma alteração de gosto ou cheiro da água?, garantiu o mandachuva da Emasa, Nei Clivatti.

Multa salgada

Mesmo assim, os responsáveis pela draga vão ter que responder pelo descuido. A polícia Ambiental pediu que a Emasa faça um laudo dizendo a quantidade de litros de óleo que foi retirada da água, pra poder calcular o tamanho do canetaço. O papéli deverá ser entregue no sábado. ?A princípio, são danos médios?, disse o soldado Roecker. A multa por poluição de rios varia de mil reales a R$ 50 milhões.

O dono da monstrenga é o vereador Altair Pontaldi, o Taico (PSDB), que tem sua estofada cadeirinha na casa do povo de Cambu. No final da tarde de ontem, ele disse que tinha acabado de saber sobre o estrago. ?No fim de semana a gurizada botou água no tanque, hoje foram fazer a limpeza e acabou indo óleo pra captação?, disse. Ele não tá preocupado com a carcada que poderá levar. ?Não me preocupa, porque quem tem a responsabilidade é quem tava operando a máquina?, lascou.

  •  

Deixe uma Resposta