• Postado por Tiago

O fim das vendas a descoberto na bolsa americana

A proibição, em definitivo, para as vendas a descoberto nos Estados Unidos da América contribui para um movimento menos especulativo por parte dos investidores que apostam na baixa dos mercados. Lançada em 2008, logo após a quebra do Lehman Brothers, a ideia era tentar minimizar uma crise sistêmica que quase alçou voo.

Tiroteio instalado

Enquanto opiniões divergem sobre a matéria, o certo é que a medida traz à tona a importância sobre um tipo de restrição que deve ser considerado, uma vez que implica em riscos muito grandes para o mercado, que em última instância recai no colo do contribuinte, que já teve que pagar pela farra dos grandes bancos para o assunto.

Fique esperto

Com 44% de valorização este ano, a bolsa brasileira vem desfrutando de um cenário excepcional se comparado ao resto do mundo. É verdade que em termos macroeconômicos estamos muito bem, mas também é verdade que é a primeira vez que isto acontece e tamanha valorização é de se pensar com muita cautela.

Relatório da Fitch

Seguindo nesta linha, semana passada a agência de riscos americana Fitch largou um relatório bem sugestivo sobre os principais bancos americanos. Nele, relata as perdas com os derivativos nos seus balanços. Com o título “grande demais para falhar”, comenta a concentração que os gigantes Bank of America, Goldman Sachs, JP Morgan, Morgan Stanley e Citibank têm nesse mercado, assimilando quase 80% do volume total destas operações. Não se esqueçam que até o primeiro trimestre deste ano boa parte dessa turma estava virtualmente quebrada…

Dólar valorizado

Também é verdade que o dólar na casa dos R$ 1,90 não paga a conta do exportador brasileiro. No caso das commodities até vai, mas para o grande resto é uma tarefa bastante difícil de se manter o negócio. Aí reside um dos principais pontos da condução da política de juros do Banco Central.

Gripe suína

A coluna já comentou, mas o assunto tem voltado à tona insistentemente. O caso é o estardalhaço que a mídia vem dando para a gripe suína que vitimou 800 pessoas, desde o seu início, no mundo todo. Já está provado que os vírus já são semelhantes a uma gripe comum, inclusive nas suas consequências às vítimas.

Gripe suína 2

Aí fico me perguntando porque os noticiários não falam dos dois milhões de crianças que morrem de diarreia por ano. E que dizer do sarampo, pneumonia e outras pestes menores que matam outros 10 milhões? A verdade é que criaram duas gripes (aves e suína) para vender o tal Tamiflu, de duvidosa eficácia, que vem enriquecendo os laboratórios americanos Roche e Relenza.

Edward Mundy é consultor da Mundy Intermediação & Finanças Corporativas [edward@mundyintermediacao.com.br]

Entenda o economês

Vendas a descoberto – Basicamente, consiste numa operação de venda de ações que não se tem. Com o intuito especulativo, o investidor vende determinado papel sem possuí-lo, apostando em uma queda. Depois da queda realizada, compra-se de volta o papel em baixo patamar de valores.

  •  

Deixe uma Resposta