• Postado por Tiago

Formação de empregos

INTERNA_coluna-giro-financeiro_ministro-Carlos-Luppi_foto------marcello-casal-ABR

O ministro Luppi e seus exageros

Segundo o ministro Luppi, foram criados neste ano aproximadamente 1,1 milhão de novos empregos com boa recuperação da massa salarial. Otimista, projeta para o próximo ano outros 2 milhões. O número, francamente, até para os mais otimistas, é sem sombra de dúvidas excepcional.

Indústria em franca expansão

Com a décima alta consecutiva, pelas medições de outubro, a indústria segue em trajetória de recuperação e já se aproxima de patamares anteriores à crise, segundo dados do IBGE. Ao longo deste ano, a produção industrial tem ganho acumulado de 19,5%, insuficiente para retomar o nível notado anteriormente. Na comparação com setembro de 2008, a indústria ainda tem perda de 5,7%.

Quais os setores que alavancam o crescimento? Nove setores já recuperaram o nível pré-crise. A maior parte deles ligados ao consumo doméstico, como alimentos, bebidas e produtos de perfumaria. Ao mesmo tempo, segmentos não tão dependentes do mercado interno, como equipamentos de transporte e produtos químicos, também apresentam reversão das perdas em relação ao período anterior à crise. A produção de veículos automotores, afetada de forma contundente pela crise, tem alta acumulada de 107,1% este ano, mas ainda encontra-se 7% abaixo do nível verificado em setembro de 2008.

Pode até faltar produto…

O risco de faltar geladeiras, máquinas de lavar, aparelhos de ar-condicionado, ventiladores, liquidificadores e automóveis neste Natal existe e não é desprezível. Um levantamento dos estoques da indústria, feito a pedido do governo pela fundação Getúlio Vargas (FGV), indica que em três de quatro segmentos de bens duráveis pesquisados em novembro o nível de estoques era insuficiente para atender à demanda.

Reajuste dos aluguéis

O IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), usado como base para o reajuste na maioria dos contratos de aluguel, registrou alta de 0,10% em novembro, acima da leve alta de 0,05% vista em outubro. No ano, o índice acumula queda de 1,46% e nos últimos 12 meses a queda acumulada é de 1,59%. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira pela fundação Getúlio Vargas.

Ainda é muito forte a entrada de dólares

Mesmo após o governo ter instituído a taxação de 2% sobre o ingresso de capitais estrangeiros, o registro do Banco Central indica que até novembro a contratação de operações cambiais entre bancos e clientes gerou entrada líquida de US$ 3,5 bilhões no país.

E na Bolsa…

Seguem nossos palpites para o teste do topo (aproximadamente 73.000 pontos) ainda na primeira quinzena de dezembro. O barulho ocorrido com o assunto em Dubai, segundo fontes da região, deve ter fortes desdobramentos com prejuízos à vista. O provável é que deva ser assunto para 2010. Até lá, nosso palpite fica no foco comprador para dezembro. Bom ficar de olhos bem abertos a partir do início do próximo ano, quando situações pontuais podem testar o mercado aguardando os novos resultados das corporações a partir do final do primeiro trimestre.

Edward Mundy é consultor financeiro da Mundy Intermediação & Finanças Corporativas [edward@mundyintermediacao.com.br / www.mundyintermediacao.com.br]

  •  

Deixe uma Resposta