• Postado por Tiago

(Continuação da edição anterior)

Então, quando o exército mercenário dos humanos vem destruir o mundo navy, ele, a cientista que o criou e outros amigos assumem um lado na história: o lado dos navy. E aí vem o pecado original do filme: sua mensagem subliminar. Para além do cuidado com a natureza, explícito, para além do ódio que podemos sentir contra o empresário ganancioso ou o general fanático, está a mais verdadeira das verdades: o mundo só pode ser salvo pelo herói que chega de fora, o “soldier”, o “mariner”, o salvador da pátria. Eu, que curti o filme, fico cá pensando com meus botões. Avatar teria sido perfeito se em vez de ser o garoto estadunidense aquele que consegue montar o animal mítico dos navy e salvar o mundo, tivesse sido o herdeiro natural do comando da raça, aquele que era o prometido da princesa navy e que fica apenas como o subalterno. Ele perde a mulher e ainda tem de ver o “que veio de longe” ser aquele que domina a força da natureza do seu povo. O autóctone parece nunca ser capaz de tomar o destino de seu povo nas mãos. Terrível metáfora de todos nós. Pecado de Cameron, explicável até. Ele é estadunidense e deve ter isso marcado na pele.

Eu teria feito diferente. Aceitando o terráqueo que chegou e compreendeu o mundo navy, mas fazendo com que fosse o príncipe navy a ser o que monta a ave mítica. Ele comandaria a ação de defesa do seu mundo. O estadunidense seria apenas um a mais no grande exército navy, o que bem mais sabe das artimanhas terráqueas, o grande trunfo. Mas, certamente o guerreiro navy seria capaz de comandar seu povo, soberano e feliz, ainda que tivesse perdido a amada. Ah, o cinema estadunidense e sua moral redentora! Que pena ser sempre tão igual.

Fico ainda a pensar e me vem à cabeça a grande saga cubana. Havia el Che, o grande trunfo, mas foi Fidel, amparado em Martí (ambos cubanos da gema), quem comandou as gentes rumo à vitória final. Cuba é meu final de Avatar. Nele, não há redenção vinda de fora, há consciência popular e líderes autóctones. Por isso não me importo muito de ir ao cinema e ficar de boa… Porque, ao fim, a vida é real!!! E pelas terras de “nuestra América” caminham os avatares… Cuba, Haiti, Bolívia, Equador, Venezuela…

  •  

Deixe uma Resposta