• 15 out 2009
  • Postado por Tiago

GUARDA

Vereadores de oposição e o secretário de Articulação Política, Marcos Weissheimer, fecharam um acordo para colocar em votação, ainda neste mês, o projeto de criação da guarda municipal armada e pronta para atirar. Dia 27 é a data definida para a primeira votação.

SEM DOCUMENTO

Nenhum documento foi assinado, como no outro acordo, que acabou resultando em uma grande confusão. Ficou tudo na palavra. Apesar dos pesares, Marcos Weissheimer, que já foi vereador do PSDB, tem uma boa influência no Legislativo.

SEM ENTREVISTAS

Na conversa entre o secretário de Articulação e a oposição ficou claro que o secretário de Segurança, Nilson Probst, não poderá dar mais entrevistas criticando os “nobres edis” pelo atraso na votação da matéria. E só vai poder abrir a boca se algum vereador o convocar.

PULSO FORTE

Difícil será manter a boca de Nilson Probst devidamente fechada. Aliás, o prefeito Edson Periquito está tendo problemas com a “desobediência” de alguns secretários. O de Administração, João Batista, por exemplo, mal assumiu e pediu para os vereadores rejeitarem o projeto do prefeito-ave que acaba com uma mordomia dos cargos comissionados da prefeitura que têm garantido o pagamento de plano de saúde pelos cofres públicos.

CONFUSÃO

E essa falta de comando por parte do prefeito, que acorda tarde e trabalha pouco, repercute de forma muita intensa em várias secretarias. Na de Obras, o Valmir ainda é o secretário, mas o Jair Mecânico e mais uma centena de chefes acham que mandam mais. Na Saúde, José Roberto Spósito é tido como uma figura decorativa e o gestor do Fundo Municipal é quem tem a palavra final.

NÃO CALA

Um dos principais itens do acordo entre governo e oposição para votar o projeto da guarda municipal foi praticamente rompido no mesmo dia. Quando o vereador João Tatá Miguel usava a tribuna criticando posições do Nilson, este entrou na câmara e indagou: “não posso pedir um aparte para responder isso?”. Claro que, mesmo sendo vereador eleito e diplomado, Probst não está no exercício do mandato e como qualquer expectador tem que ficar calado.

ROMPIMENTO

Oposição e governo fizeram o acordo, mas esqueceram de avisar os situacionistas. O vereador Roberto Souza Júnior utilizou tema livre para declarar que os vereadores de oposição não estão preocupados com as vítimas de roubo e estupro e que por isso não votaram ainda o projeto da Guarda Municipal.

MENTIRA

Acontece que Roberto Souza Júnior falta com a verdade em relação ao propósito do projeto que pretende criar uma guarda patrimonial e sem poder de polícia, sem condições de impedir a ação criminosa. E a comunidade está sendo enganada por esse tipo de gente. Tomem cuidado. Roberto Souza Júnior, pelo visto, não mede esforço para confundir a opinião pública e garantir seu cargo, pois, caso contrário, voltará a ser suplente de vereador.

FALTOU

E a confusão só não foi maior ainda nesta história da guarda municipal porque a líder do prefeito, Christina Barrichello, não deu os ares da sua graça. A nossa Carlota Joaquina deve ter se tocado que a administração periquita está sediada no reino da Dinamarca, e não em Portugal. Ou então estava preparando as malas e batendo a areia dos sapatos…

PRESSA

E tem gente que associa a pressa do Nilson em aprovar a guarda a uma grande empresa de segurança, pertencente a um ilustre político catarinense, que seria uma das contratadas para prestar assessoria. A tal empresa até teria comprado uma bela mansão, no bairro dos Pioneiros, para instalar a sua sede. Probst não está pregando prego sem e$$$topa.

FISCALIZAÇÃO

Quisesse mesmo tratar das coisas da nossa segurança, o secretário Nilson Probst deveria mandar conferir se os motoristas da prefeitura estão devidamente habilitados para as funções. Tem assistente administrativo dirigindo veículo oficial, tratorista sem a devida documentação, agentes de saúde sem CNH, etc. … Estão colocando em risco a vida de muita gente na nossa comunidade.

HOMENAGEM

O vereador Asinil Medeiros (PR), sexto mais votado de Balneário Camboriú nas eleições municipais de 2008, está comemorando. O prefeito Edson Dias publicou na edição de ontem (14) do Diário Atlântico projeto de lei do edil republicano que denomina de Periquito via pública do bairro Ariribá.

COMPROMISSO

Trata-se do único projeto de lei do vereador Asinil Medeiros em dez meses como vereador. Fica a pergunta: como se sentem os 1.617 eleitores que acreditaram que Asinil tivesse capacidade para desempenhar a função de representante e batalhar pelos interesses de seu reduto eleitoral, ou seja, os bairros de Nova Esperança, Barra, São Judas e Municípios?

BRONCA

Muita gente deve estar na bronca com o vereador, que é vice-presidente da Câmara de Vereadores. Afinal, o bairro Ariribá está bem distante do percurso diário do vereador, além do fato de estar se preocupando em denominar rua e homenagear o prefeito, que hoje está com um índice de rejeição muito grande.

PUXA

Tem eleitor dando pulo e querendo encontrar com Asinil para tirar satisfação de perto e tentar convenceêlo a parar de puxar o saco do prefeito-ave.

SOBRANDO

E aquele novo casal parece não estar preocupado com crise financeira. O pagamento adiantado de R$ 100 mil pelo aluguel anual de um confortável apartamento na avenida Atlântica é a demonstração de que dinheiro é o que não falta para os dois.

ACERTO

O representante do turismo da SDR de Itajaí, Silvioirã, tem sido muito elogiado na secretaria de Turismo de Balneário Camboriú, pelo empenho dedicado em colaborar com a administração de Edson Dias. Tem tucano de cara feia, afirmando que o antigo aliado já conseguiu inclusive uma “boquinha” de emprego para uma chegada.

EXPOSIÇÃO

O comando do 12º Batalhão da Polícia Militar deve ter se espelhado nos prefeitos Periquito (Balneário Camboriú), Sabino (Itapema), Luzia (Camboriú), entre outros. Preciosos equipamentos que poderiam estar sendo usados no combate ao crime estão sendo mostrados ao público em um shopping da cidade… Os ilustres mandatários fizeram o mesmo com equipamentos comprados para uso em obras da cidade.

IRREGULARES

O Tribunal de Justiça de Santa Catarina decidiu, preliminarmente, que são irregulares as notificações elaboradas por monitores do estacionamento rotativo à autoridade de trânsito. A medida vale, a princípio, para Florianópolis. Mas pode ser aplicada também no Balneário, onde quem deixa de colocar o cartão de R$ 1,25 é notificado a regularizar a situação mediante do pagamento de outros quatro cartões, caso contrário, é multa.

COMO FICA

Diz a decisão do TJ que “no Código de Trânsito Brasileiro, compete às polícias militares executarem a fiscalização do trânsito, ao passo que as infrações devem ser diretamente constatadas e comprovadas por declaração da autoridade ou agente de trânsito, conceito em que não se enquadram os monitores da área azul”.

  •  

Deixe uma Resposta