• 05 nov 2009
  • Postado por Tiago

VIAGEM

Todos os dias passo na agência da Caixa, com o meu cartão do trabalhador, e tiro o saldo. Entro alegre e saio triste. O Gasparzinho (fantasminha camarada) não depositou nada na minha conta… E aí fico pensando: “como vou fazer para pagar a pensão alimentícia?”.

CAMPANHA

Embora tenha um nome de profeta, e dos grandes, o “Todo Poderoso” não é meu chegado. Bem que ele poderia botar um “Waldemar” na minha vida. Afinal de contas, R$ 200 mil é uma boa grana.

FELICIDADE

E, seguindo a rotina de trabalhador, dou uma rápida passada no cartório eleitoral. Ninguém falava nada pra ninguém… E não é que encontro o Ciro (Amâncio), parceiro de longas datas? E aí, Ciro? “A fumaça é branca”, disse ele. “Os ‘homi’ foram absolvidos!”

CONSEQUÊNCIA

Fiquei feliz? Não! Fiquei triste? Muito menos. Afinal de contas, esta “frescura” tinha que terminar um dia. Só que, lamentavelmente, não terminou. Muita água vai rolar por debaixo dessa ponte.

FÉRIAS

E olha só quem já estava de férias na terça (3)? Exatamente ele, o Roque Cerutti, o juiz eleitoral. Explicando: sentenciou na quinta, criou uma expectativa no feriado e na terça estava em gozo de férias.

ENCONTRO

Bati de frente com duas chapas que estão disputando a presidência da subseção da Ordem dos Advogados. De um lado, a quase conterrânea belga Retti Jane Popellier (do lado da mamãe, a dona Laurita, sou Villain); e do outro, o Marco Antônio Minikoski (sei quase nada de polonês).

VERSÕES

E fiquei sabendo, não da boca deles, mas de outros advogados, que o acontecido era de se esperar. Roque Cerutti é um excelente juiz, na hora de humilhar pai de família que tem algum filho envolvido em algum pequeno crime. Mas quando o negócio envolve peixe grande, ele baixa a crista, não canta mais de galo e quando muito dá umas piadas (de pinto mesmo).

AMARGARAM

Para o Arcângelo e a sua turma tucana, foi experimentar do mesmo veneno que há muito tempo a gente tinha que engolir. Quantas vezes ficamos na porta do fórum esperando aquela sentença que, apesar das evidências serem contrárias, não foi a mais aguardada por todos?

LEGAL

Certo está o Roque (não é o Stallone). Criou o clima, deixou a expectativa no ar, e se mandou pra descansar. E nós, aqui na praça, jogando milho aos pombos…

REPETECO

Já vi esta cena em outras ocasiões. Pelo menos em quatro delas. O mais inteligente virou desembargador; o outro é cônsul de um insignificante país da ex-Iugoslávia; tem aquele que até hoje é professor (e dos melhores) da Univali; e, o quarto é advogado, apenas advogado…

MENOS MAL

A lição que tiro é que não podemos parar. No feriadão de Finados sentimos os anseios de quem nos visita e de quem investiu aqui para tirar o sustento da família. Assim sendo, chega de desculpas, vamos começar a trabalhar. E até já vi o Valmir (secretário de Obras) acompanhando (pelo menos isso) uma reforma geral (embora paliativa) na praia Central. E estão limpando o bairro dos Pioneiros, onde moro, e, por mera coincidência, fica a sede do PMDB e o ninho do Periquito. Acho que estão limpando por minha causa, hehehehe….

NATAL

E, de quebra, recebo o convite da Elaine Maieski, assessora de imprensa da Câmara de Dirigentes Lojistas. Tem “boca livre” pra alegre turma da imprensa, hoje, a partir das 8h30. O presidente da CDL, Altamir Osni Teixeira, irá apresentar todas as etapas do projeto que contempla decoração em pontos estratégicos da cidade. Vamos estar lá. Será que não dá pra colocar um gelzinho de álcool no suco de laranja? Vira “hi-fi”.

MACHO

O José Carlos Hannibal tem a experiência de disputar eleições. Esteve em quatro, levou uma. É vereador (do PP). E, apesar de não ter toda aquela experiência no Legislativo, demonstrou que é coerente com os seus princípios. O clima rolou na história de votação do projeto da guarda municipal armada (e pronta para atirar). Cinco oposicionistas molharam as cuecas e aceitaram a imposição do prefeito-ave, via Claudir Maciel. Foi nove a um. Hannibal se absteve de votar.

ACORDO

É que depois de quase sete horas de negociação com o “articulador” do Periquito, Marcos Weissheimer, tinham sido acertadas mudanças no projeto da guarda. Elas não vieram em sua totalidade e, de quebra, o Claudir Maciel, agora líder do prefeito, desacreditou o que o Marcos tinha acordado.

ACERTO

Como a grande maioria da oposição ficou calada, vou confiar no cálculo de um colaborador da coluna. “Suplementaram em R$ 370 mil do orçamento para uma guarda que sequer existe, não foi aprovada e não saiu do papel. Seis (o número dos oposicionistas na Câmara) vezes R$ 60 mil é igual a R$ 360 mil. E os R$ 10 mil restantes ficam pra bancar a publicação no jornal à serviço da prefeitura. Valeu, Deolir!

GAGUEJOU

Procurei alguns dos nobres vereadores para comentar o assunto. O único que gaguejou (mas ouviu) foi o Dão Koeddermann. Ligou, no ato, pra contadora da prefeitura, que estava em Brasília. Ele quis (e já pode?) falar com o prefeito, que estava comemorando a absolvição no processo de cassação. Ficamos sem resposta.

ESTELIONATO

A função da polícia não é tirar os golpistas que usam o nome da empresa (e a profissão) em que trabalham e não gostam de pagar ninguém pelas compras efetuadas? Então como é que tem delegado pagando (será do próprio bolso ou dinheiro da contravenção) as contas desses marginais?

RATALHADA

Informaram-me que o Robertinho Souza Júnior (suplente de vereador do PMDB) tinha procurado, na semana passada, a oposição para se bandear. E agora, com as vitórias do prefeito-ave na Justiça Eleitoral, será que a debandada do ninho tucano vai ser geral? Quem será o primeiro a seguir os passos do Eduardo Krewinkel? Truco 12. Não tem como perder.

  •  

Deixe uma Resposta