• 11 jun 2009
  • Postado por Tiago

PESQUISA

Quatro partidos, cujas siglas não foram reveladas, encomendaram pesquisa junto a um instituto de Blumenau. A saúde pública foi considerada como o principal problema de Balneário Camboriú.

ADMINISTRAÇÃO

A pesquisa foi encomendada apenas para avaliação interna e por isso não pode ser tornada pública. O levantamento constatou que a administração peemedebista do Balneário está caindo no descrédito. Segundo uma fonte que teve acesso aos dados, uma das perguntas era diretamente ao eleitor que votou no atual prefeito e se ele repetiria o gesto. Mais da metade respondeu que não.

DATASUS

Pesquisei os últimos números referentes aos repasses do Sistema Único de Saúde para o Hospital Santa Inês. Em março foram R$ 367 mil somente no que se refere às internações hospitalares. A instituição, entretanto, está perdendo em volume de arrecadação se levarmos em consideração que em outubro do ano passado foram R$ 607 mil em AIH´s.

GESTÃO

Fiz o lembrete para dizer que em uma instituição hospitalar o que vale mesmo é competência para administrar. Muitos reclamam dos recursos repassados pelo SUS, mas vamos citar outros números. Em março, cada uma das 356 internações do Santa Inês rendeu R$ 1,03 mil, uma média excelente quando se fala em saúde pública e que, se bem planejada, poderia trazer maiores benefícios não apenas para Balneário Camboriú, mas para toda a nossa região.

COMPETÊNCIA

R$ 576 mil é o valor que o Hospital Municipal Ruth Cardoso teria mensalmente de repasses do SUS para funcionar. Para internações seriam R$ 480 mil, outros R$ 81 mil para os serviços de ambulatório e mais R$ 15 mil de repasse para outros serviços, como, por exemplo, as cirurgias de catarata, especialidade que tem muita gente na fila de espera.

VONTADE

Somando-se a este valor o repasse que a prefeitura de Balneário Camboriú faz para o atendimento do pronto-socorro do Santa Inês, da ordem de R$ 208 mil, teríamos recursos mais que suficientes, R$ 856 mil mensais, para o nosso hospital. Falta vontade política de quem tem a caneta na mão para concluir e botar a funcionar o hospital municipal.

COOPERATIVA

Todos esses números podem ser conferidos através da internet, inclusive com mais detalhes. E, mesmo assim, o primeiro escalão do prefeito Edson Periquito pretende entregar esse patrimônio do povo, de mais de R$ 50 milhões, para uma cooperativa que seria formada por apadrinhados do poder.

WFO

Também é bom lembrar que a entidade internacional que proporcionou a construção do hospital tem um manual de gerenciamento que estipula um organograma de forma responsável sobre a gestão hospitalar. E tudo isso teria, ainda, que passar pelo crivo da Câmara de Vereadores.

MUDOU DE COR

Haviam pintado a entrada do túnel da avenida do Estado (sob a BR-101) de verde. Alguém mais “esperto” lembrou ao prefeito-ave que estaria incorrendo em descumprimento da lei. No dia seguinte repintaram o local…

MELHOROU

Em contrapartida, a vela do Portal Turístico foi retirada, lavada e colorida com a bandeira do município. Sou bairrista e gostei da iniciativa.

FISCALIZAÇÃO

Tem uma construção iniciando na rua 2400 sem placas indicativas da obra. Exatamente no local por onde passa o rio Marambaia, que nasce a poucos metros dali.

LAGOA

Por falar no Marambaia, o que foi feito com o Termo de Ajuste de Conduta firmado entre a prefeitura e o ministério público de abrir uma lagoa exatamente na nascente do rio, onde está construído o colégio Santa? A lagoa seria para permitir que a água aflorasse e depois seguisse o seu fluxo normal.

PROJETO

Aliás, o projeto inicial previa que um dos pilares ficasse dentro da lagoa e, em sua volta, fossem construídos mirantes protegidos para que os alunos do próprio colégio e os visitantes vissem a qualidade da água que brota naquele local. Só para lembrar: o TAC foi assinado à época em que o promotor Rosan da Rocha respondia pela moralidade pública.

EXPLICANDO

Vereador de Camboriú, Claudinei Loos, que também pertence à equipe do prefeito Edson Renato, de Balneário Camboriú, ligou estranhando as afirmações do ex-prefeito Edinho Galo (e tucano), da cidade das pedras. “Não respondo a nenhum processo. Sou uma pessoa íntegra e honesta e desafio a quem quer que seja a consultar minha ficha na Comarca da cidade de Camboriú, onde exerço meu segundo mandato consecutivo como vereador do PMDB”, tascou o nobre edil.

MAGOADO

“A mágoa profunda do senhor Edson Olegário com a minha pessoa vem desde os primeiros meses de seu mandato (2005), quando verifiquei as irregularidades em obras da sua administração, o que culminou numa CPI, desmascarando atos ilícitos do então governo Edinho (PSDB). Desde então venho sendo um fiscal das obras públicas, o que me levou à reeleição e ao segundo mandato, com muito orgulho”, lembrou Claudinei.

RECADO

Claudinei também mandou um recado curto e grosso para o ex-prefeito Galo: “vou conversar com ele através da justiça”. Trocando em miúdos: o clima político, como sempre, está tenso na terra dos Gideões.

PINTURA

Vereador Assinil Medeiros (PR) concorda que as faixas de trânsito e as lombadas estão necessitando de urgente pintura. Medeiros anuncia que pedirá providências ao prefeito Edson Periquito.

CRECHE

Assinil está satisfeito com o atendimento de suas solicitações ao executivo. Na terça-feira, esteve no Estaleirinho para conhecer a área onde será construída a creche que vinha reivindicando.

CALADOS

Vereadores de situação, Christina, Marcos, Roberto Souza Júnior e Assinil Medeiros não utilizaram o tema livre na última reunião para pronunciamentos. Será que assim como foram proibidos de dar entrevista para a TV Panorama também receberam ordens para permanecerem calados no tema livre?

UNIFORME

Estamos quase chegando nas férias de julho e os milhares de alunos da rede municipal de ensino continuam sem receber o uniforme. A cobrança é do vereador Fabrício de Oliveira (PSDB), que mais uma vez recebeu a informação da vereadora Christina de que os uniformes já estão prontos. Parece brincadeira e mais uma vez quem sofre e o povo.

LICITAÇÃO

Professor Cirino Adolfo Cabral Neto, do curso de Direito da Faculdade Sinergia, lançou na noite de ontem o seu primeiro livro “Inexigibilidade de licitação: contratação de artistas”.

DINHEIRO

Prefeitos da Amfri retornaram com muitas esperanças do encontro com o presidente Lula, em Brasília. Muitos projetos foram viabilizados com a assinatura de convênios e de protocolos de intenções. Nesse último caso, há agora a urgência na aprovação dos projetos. Sem projeto aprovado, ninguém vai ter dinheiro na conta.

  •  

Deixe uma Resposta