• Postado por Tiago

Seu Vilson Peterlini, 55 anos, dono de uma imobiliária no bairro Gravatá, em Navega, é uma das vítimas da burocracia. Ele já reclamou pras otoridades sobre o abuso do som alto pelas ruas da cidade e ninguém fez piciricas nenhuma.

O empresário diz que toda vez que passa um carro ou motoca de som tem que parar o trampo. A barulheira é tão infernal que não se escuta mais nada. Ele já reclamou pra PM, que disse que precisa fazer uma denúncia por escrito sobre a pertubação.

Burocracia danada pra denunciar

O tenente Rafael Vicente explica que a polícia tem o aparelho pra medição, o decibelímetro, mas não tem poder pra utilizá-lo. A denúncia, explica, precisa ser feita primeiro na fundação do Meio Ambiente. Pro troço ir pra frente, o autor da denúncia precisa assinar uma representação contra a empresa de propaganda.

  •  

Deixe uma Resposta