• Postado por Tiago

INTERNA_12_base-direita_escola-valerio-gomes---pedra-de-amolar---foto-Felipe-VT-00-(7)

O pior é que a escola foi reformada há apenas três anos

Os 385 alunos da escola de educação básica Valério Gomes, que fica na Pedra de Amolar, em Ilhota, têm que conviver com goteiras nas salas de aula, banheiros entupidos e apagões constantes. O prediozinho da escola, construído há 12 anos, tá virado num alho e não há previsão para a reforma, revela bagrão da secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR) de Blumenau.

Sobram pepinos pra direção da escola descascar, quando o assunto é estrutura física. Paredes rachadas, janelas soltas e vazamento na caixa d?água compõem a lista dos problemas listados pela diretora Shirley Regina Delfino Couto. A escola atende a alunada do ensino fundamental e médio e funciona pela manhã, à tarde e à noite.

Shirley disse ao DIARINHO que assumiu a escola este ano. Ficou dicara com a situação em que encontrou a unidade de ensino. Chegou a apelar prum deputado da região pra ver se consegue grana do governo do estado pra fazer os consertos. O governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB), o secretário Paulo Bauer, da Educação, e Paulo França, secretário de Desenvolvimento Regional em Blumenau, já receberam o pedincho oficial da diretora.

Culpa da empreiteira

O arquiteto Cléverson João Batista, gerente de infraestrutura da secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR) de Blumenau, confirmou o reclamo da diretora da escola Valério Gomes. A situação mais crítica, disse, está nos banheiros da alunada e numa laje que tá sofrendo infiltrações de água.

Não há previsão para o conserto da escola, revela o arquiteto. ?Mas a ideia é fazer as obras o mais rápido possível?, afirma Cléverson, que há duas semanas visitou a Valério Gomes e está agora produzindo um orçamento para a reforma emergencial do colégio.

A culpa dos problemas, diz o gerente da infra da SDR da galegada, seria de uma empreiteira contratada para reformar a escola em 2006, quando Ilhota pertencia à secretaria Regional de Itajaí. ?A maioria dos problemas têm origem na obra mal executada. Já fiz um relatório técnico e encaminhei para nosso jurídico tomar as providências necessárias?, revelou o bagrão.

  •  

Deixe uma Resposta