• Postado por Tiago

Um empresário, atingido por um acidente de trânsito, vai parar em um casarão abandonado.  Incapacitado de voltar para a rua, depara-se com figuras humanas e de animais que o levam a reviver não apenas incidentes decisivos de seu passado, mas também grandes fases do desenvolvimento social da humanidade, como o matriarcado e o patriarcado.

A narrativa de Júlio de Queiroz se passa na Florianópolis contemporânea e consta do livro Gritos do Amanhecer, editora Academia Catarinense de Letras, que o escritor lança quarta-feira, dia 15, às 19h, na Fundação Cultural Badesc, no centro da Capital.  Conforme reflete Júlio, a sociedade vive uma fase que tende a estabelecer a igualdade entre os homens e mulheres e a novela trata justamente deste tema.  “As mulheres estão se libertando através da educação, da cultura”, diz Júlio.

Nascido no Estado de Espírito Santo em 1926, Júlio vive em Santa Catarina desde o final dos anos 60.

Ocupa a cadeira 10 da Academia Catarinense de Letras.  É autor de prosa e poesia: escreve poemas, crônicas, contos, novelas e ensaios.  Já integrou uma série de antologias.  Entre elas, Este Amor Catarina, Contos de Carnaval e Poesia Contemporânea em Santa Catarina.

A Fundação Cultural Badesc fica na rua Visconde de Ouro Preto, no centro de Floripa.  A entrada é na faixa.

  •  

Deixe uma Resposta