• Postado por Tiago

abre-p2

Lançamento de livro na Casa Aberta também ficou pra depois

Foi só a fundação cultural peixeira anunciar que seria recomendável o cancelamento de espetáculos no teatro municipal pra prevenir a disseminação da gripe A para que os eventos culturais fossem brecados, num baita efeito dominó. Apesar de ser apenas uma recomendação, não um decreto, ninguém quis se responsabilizar por promover aglomero de gente, logo agora que a peste começou a aparecer na city peixeira.

?Acatamos a recomendação da secretaria da saúde, que por sua vez recebeu a orientação do ministério da saúde, para evitar a aglomeração em ambientes fechados. Como o teatro não tem janelas, passamos a recomendação aos produtores culturais, que acabaram cancelando os eventos, mesmo os que constam da agenda cultural?, explicou a assessora da fundação, Renata Furlanetto. Ainda não foi confirmado o cancelamento do 3º Festival de Dança, marcado para domingo.

O espetáculo de humor do gaúcho Paulinho Mixaria, que deveria rolar ontem à noite, foi o primeiro a ser cancelado. Em seguida, veio o anúncio do espetáculo de fado da cantora Célia Pedro ?Tudo isto existe. Tudo isto é Fado? ter o mesmo destino. No meio da tarde, o coreógrafo Paulo Gelinsky, do grupo Tríade de dança de rua, anunciar que não iria mais rolar o espetáculo em comemoração aos 10 anos do grupo, no sábado, no teatro municipal. Logo depois, a diretora da Casa Aberta, Ivana Bittencourt Severino, também avisou que não vai mais ter a noite de autógrafos do escritor pernambucano Hélio Jorge Cordeiro, marcada para às 20h30 de hoje.

?A ideia surgiu do próprio autor, que tem amigas que estão grávidas e estavam receosas de comparecer ao evento. Já que não era urgente, decidimos postergar, talvez, para setembro?, conta Ivana. Ela disse que também tem conhecidos que estão com suspeita da gripe A, portanto, manter a data poderia ser um risco desnecessário. ?Se em nosso próprio círculo de amizades há casos suspeitos, decidimos não arriscar?, completa.

Apesar do cancelamento, o livro ?Onde o Diabo perdeu as botas? já está a venda no local. ?Como se trata, também, de um bate-papo entre escritores, vamos dar a oportunidade de quem quiser conhecer a obra ter mais subsídios para o debate?, conclui Ivana.

O coreógrafo Paulo Gelinsky admite que ficou um pouco decepcionado com o cancelamento do espetáculo ?Uma década de dança?, afinal, o aniversário do Tríade é no dia 14 de agosto. Mas por precaução, decidiu acatar a recomendação da fundação cultural. ?Até porque os alunos disseram que estava difícil vender os ingressos porque tinha gente com medo de ir ao teatro?, revelou. Ele conta também que duas das 200 crianças nas comunidades do São Judas e Cidade Nova apareceram gripadas, mas não foi confirmada a doença. Apesar disso, ele recomenda às crianças a não comparecem aos ensaios se apresentarem sintomas.

Na ilha, o show continua

Enquanto a cena artístico-cultural de Itajaí vai ficar em compasso de espera até passar a paranoia da gripe A, na capital, os espetáculos teatrais da 16ª edição do Festival Isnard Azevedo, marcados para esta quinta-feira, continuam confirmados.

São sete apresentações espalhadas pelos quatro cantos da ilha, sendo quatro digrátis. As oficinas também tão de pé.

São seis os teatros de Floripa onde rola o festival, que vai até 23 de agosto: Teatro Álvaro de Carvalho (TAC), Centro Integrado de Cultura (CIC), Pedro Ivo Campos (SC-401), Casa das Máquinas (Lagoa), Teatro do grupo Armação e Teatro da Ulbro (Escadaria do Rosário).

As atrações gratuitas de hoje são ?Elas?, da Cia. Humanidhas Trupe (Jacareí/SP), às 15h e 20h, na lona do sul da ilha (Campeche); ?A Comédia da Esposa Muda?, do grupo Parafornalha (SP), às 15h e 20h, no parque de Coqueiros; ?Saltimbembes Mambembancos?, do grupo Rosa dos Ventos de Presidente Prudente (SP), às 15h e 20h, na lona do centro; e ?As Aventuras de uma Viúva Alucinada?, do grupo Mandaréu (PR), às 15h e 20h, na lona do norte da ilha (Ingleses).

A peça infantil ?Simbá, o marujo?, da Cia Trupe de Truões, de Uberlândia (MG), se apresenta no TAC, às 10h e 15h. ?Draguinho, diferente de todos, parecido com ninguém?, do Centro de Teatro Etc e Tal (RJ), sobe ao palco do Teatro da Ulbro às 10h e 15h; e ?É Nóis na Xita?, do grupo Namakaca (SP), vai rolar às 15h e 20h, na Casa das Máquinas, na Lagoa da Conceição.

Os ingressos custam R$ 5 e R$ 2,50 (estudantes e idosos).

  •  

Deixe uma Resposta