• Postado por Tiago

Escola Everton estuda tá virada num alho

O negócio tá feio pro colégio 15 de junho, que fica no Promorar, bairro Cidade Nova, em Itajaí. O estudante Everton Ronsani da Silva, de 15 anos, reclama que tão faltando equipamentos, professores, merenda e material escolar.

Everton, que também trabalha como pipoqueiro na rua Hercílio Luz, centro da cidade, afirma que nos últimos quatro meses a situação do colégio ficou ainda pior. ?Quando o professor não vai, eles mandam a gente pro pátio, pra cobrir aquele horário que fica vazio?, conta o menino, que prefere ter aulas e aprender do que ficar de papo pro ar no pátio da escola. Everton conta que os próprios professores reclamam da falta de estrutura da escola. Mas o que mais chateia o rapaz é a falta de paciência dos professores. Quando aparecem para dar aula, os educadores não dão atenção à alunada e, reclama Everton, muitas vezes, só brigam com as turmas.

Tânia Sacavem, diretora adjunta do 15 de junho, garante que não há falta de material escolar nem de merenda. ?Os alunos ganharam um kit no segundo semestre com material, caneta e passe escolar?, informa.

Quanto à questão da falta de professores, a diretora confirma que a escola tá mesmo enfrentando problemas com dois deles. Uma professora tá de licença-prêmio e outra preferiu morango a dar aula, por que dá mais dinheiro. A diretora afirma também que o colégio está bem equipado e que quando os professores faltam, os alunos deveriam ser mandados para casa, mas eles ficam no pátio brigando, estragando o colégio e sem ter o que fazer, diz.

  •  

Deixe uma Resposta