• Postado por Tiago

A polícia Militar da capital teve trabalho ontem pra conter a fúria dos estudantes ligados ao movimento Passe Livre. A alunada, que havia anunciado que iria azucrinar por conta do aumento da passagem dos busos que rolou esta semana não deixou barato. Dois estudantes foram detidos por baderna. Como não fizeram nada de muito grave, assinaram um termo circunstanciado e foram pra casa.

Pela manhã, uma turma de estudantes interrompeu a passagem de ônibus no terminal de integração da Trindade (Titri). Quando a PM chegou, a rapaziada já havia corrido.

Enquanto eles aprontavam no Titri, outros tentavam impedir a entrada e saída de veículos no terminal de integração de Canasveiras (Tican). Lá a bagunça foi maior e a polícia chegou a tempo de pegar um aluno de 20 anos pelo cangote e levar pra delegacia. O rapaz não teve o nome divulgado trocou socos e pontapés com seguranças do terminal.

Na parte da tarde, o fuzuê dos estudantes foi parar na frente da câmara de vereadores, no centro da cidade. Uma estudante que teimava em ficar no meio da rua, correndo o risco de ser atropelada, foi grampeada pelo milicos e conheceu a central de polícia pelo de dentro.

No cair da noite, quando havia a promessa de fechamento no Ticen e das pontes que ligam a ilha ao continente, a chuva espantou os manifestantes. De acordo com um dos líderes dos alunos, Vitor Caledi, a intenção é chamar a atenção da sociedade e das otoridades pro problema do transporte coletivo na city. “Tivemos apoio da população já que tá todo mundo cansado deste modelo de sistema. Ampliamos nosso debate”, acredita.

  •  

Deixe uma Resposta