• Postado por Tiago

Com a consultora de RH Patrícia Raquel

Começa a partir da zero hora de 18 de outubro o horário de verão. Você terá que adiantar em uma hora os relógios. Pelo decreto presidencial que determinou o horário de verão, em todos os anos a mudança começa no terceiro domingo de outubro e termina no terceiro domingo de fevereiro. Se a data de término coincidir com o domingo de Carnaval, o final do horário de verão é transferido para o domingo seguinte. Mas o que muda no seu trabalho com esta alteração?

Haverá impacto, principalmente, na jornada dos empregados das empresas que trabalham em turnos em que ocorre a mudança de horário de verão. Este impacto será de redução de horas, no início do período, e de aumento, quando encerrar o horário de verão.

Há que se atentar quanto aos acordos ou convenções coletivas, pois muitos sindicatos, já prevendo esta situação, estabelecem a forma que estas horas serão tratadas: se descontadas (no início) e pagas (no término) na folha de pagamento, caso não haja acordo de banco de horas ou se debitadas (início) e creditadas (no término) em casos de compensação previamente acertada.

O horário de verão vigorará para os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.

Normalmente a adaptação ao horário de verão leva em torno de quatro dias, dependendo de indivíduo a indivíduo. Apesar do Brasil não apresentar estatísticas a respeito dos reflexos negativos, é importante que não haja perda na qualidade e quantidade de horas de sono, aumentando, consequentemente, a probabilidade de ocorrer acidentes no trânsito ou no próprio trabalho.

Com a entrada do horário de verão, a diferença de fuso horário em algumas regiões do país pode ser de até duas horas, pelo horário de Brasília. Isto pode gerar alguns transtornos entre empresas e profissionais que se localizam nas cidades afetadas pelo horário de verão e empresas estabelecidas em outras cidades. Atente para isso na hora de ligar, logo no início da manhã, para alguém no Tocantins ou no Piauí.

Cuidado, também, devem ter os advogados que possuem audiências marcadas em outras regiões do país e que programam suas viagens para chegar a tempo de participar da audiência. Nestes casos, se não for observada a diferença de fuso horário, o atraso ou a não participação na audiência pode custar caro para a empresa que o advogado representa, principalmente se configurar a revelia no processo.

Assim, é imprescindível que as empresas e profissionais pesquisem o horário da região com a qual mantêm vínculos comerciais ou profissionais de modo que a diferença no fuso horário não comprometa seus agendamentos.

Confira no mapa os estados onde vigora o horário de verão:

A contadora e bacharel em direito Patricia Raquel é especialista na área trabalhista e consultora de RH – Consultoria & Treinamentos (dra.patrícia_raquel@hotmail.com)

  •  

Deixe uma Resposta