• Postado por Tiago

Povão, deseducado, sinfia no meio dos carangos

O estudante de administração, Maurício Silveira de Souza, 22 anos, desce a lenha nos semáforos de Itajaí. Para ele, o problema não tá só no centro da cidade. ?Eu ando a pé todos os dias. Por isso garanto que tá faltando orientação pros pedestres em toda a cidade?, afirma, reclamando: ?Muitas vezes eu tenho que correr pros carros não me pegarem na faixa e embaixo de um semáforo que só funciona pro motorista?.

A reclamação de Maurício é justamente o que o chefão da Codetran, José Alvercino Ferreira, quer resolver. Ele conta que gostaria de instalar semáforos novos, com a orientação de travessia ao pedestre, em todos os pontos críticos da cidade. Mas diz que hoje não é possível por falta de grana. Cada aparelho custa em média R$ 150 mil. ?Nós temos na cidade semáforos muito antigos, que não comportam a implantação da sinalização pro pedestre. Só trocando pra resolver?, explica.

Zé Alvercino disse que as compras das novas sinaleiras estão sendo feitas aos poucos. Quatro já estão na city e irão substitur os velhos semáforos na Estefano José Vanolli, rua Brusque com a Uruguai, no começo da Beira Rio e outro local ainda não definido.

Sidney Correa, chefe de fiscalização de tributos da prefa, informa que no Gravatá existem três taxistas cadastrado. Para ele, os motoristas de praça acabam trabalhando em lugares com maior movimento. Sidney explica que a fiscalização dos pontos é feita pela Navetran.

O superintendente da Navetran reconhece a falta dos taxistas no Gravatá. Joab conta que já tava sabendo da pendenga porque os guardinhas informaram que sempre quando passam nos pontos do bairro não encontram ninguém. Para provar, o chefão diz que tá pensando numa forma de deixar um guarda uns dias fixo no ponto de táxi. Se ninguém aparecer no ponto todos os taxistas do local serão chamados na prefa pra sisplicar.

  •  

Deixe uma Resposta