• Postado por Tiago

INTERNA_12_base-esquerda_-Igreja-barulhenta---ARQUIVO-(2)

Os cultos rolam sempre à noite, pra desespero dos vizinhos

A reclamação da dona de casa S.V.C., 29 anos, foi confirmada no domingo a noite por um fiscal da fundação do meio ambiente de Itajaí (Famai). O barnabé foi até a rua Hélio Douat de Menezes, no bairro São João, pra dar uma fiscalizada na barulheira da igreja evangélica Assembleia de Deus Convenção de Goiás. Com a ajuda do aparelho chamado decibelímetro, o fiscal constatou que a gritaria da crentalhada ultrapassou em até 10 decibéis o volume permitido por lei.

O fiscal Diego Luís Biz disse ao DIARINHO que durante praticamente todo o culto o volume ficou no limite, que é de 55 decibéis. Só que no momento dos cantos e orações, a gritaria foi grande e passou do permitido, chegando até 65 decibéis. ?Eu anotei os horários de culto e vou retornar à igreja pra entregar a notificação. Vamos solicitar um laudo acústico pra podermos regular o volume do som?, explicou.

Os crentes não gostaram da batida da Famai e ontem deram aquele intimaço na vizinhança. A jornalista Renata Rosa, que chamou o órgão ambiental pra bizolhar o local, contou que na semana passada ela foi de pijama pedir pra abaixarem o som ensurdecedor. ?Já passava das 22h e eu não conseguia dormir por causa do barulho. Até uma bateria eles tem lá e não existe qualquer isolamento acústico?, reclama.

A jornalista tá indignada com a audácia dos pastores da igreja e espera que a Famai dê uma olhadinha também nos alvarás do local. ?Me causa estranheza as pessoas brigarem pela cidadania. A lei existe e é de 55 decibéis. Será que eles acham que estão acima da lei?? detona a moradora.

Ontem, o templo barulhento estava fechado. A direção municipal da Assembleia de Deus informou que a tal igreja não faz parte da congregação peixeira.

  •  

Deixe uma Resposta