• 21 set 2009
  • Postado por Tiago

?Se os mais jovens soubessem que a Petrobras tem sido, desde suas primeiras horas, vitória da pertinácia nacional, estariam nas ruas, como estiveram seus pais e avós, repetindo o slogan poderoso de há mais de 50 anos: o petróleo é nosso?, Mauro Santayana, colunista do Jornal do Brasil

Mistério: a superintendência do porto de Itajaí autorizou o início das operações do Teconvi, em 2001, mesmo sem a contratação dos seguros que o Teconvi estava obrigado a contratar conforme exigido no contrato de arrendamento?

SEGURA O FRANGO I

O vereador Níkolas Reis (PT) tem razão em se preocupar e mobilizar a sociedade de Itajaí e região para evitar a mudança do traçado da ferrovia Leste/Oeste, a chamada ?ferrovia do frango?, que inicialmente ligaria o extremo-oeste catarinense ao complexo portuário de Itajaí. No norte do Estado, é dada como certa a alteração, sendo desviada na altura de Curitibanos para São Francisco do Sul para atender o porto local e, principalmente, o novo porto privado de Itapoá.

SEGURA O FRANGO II

Há quem diga que o principal articulador político a favor da mudança é o próprio governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB), que estaria pessoalmente engajado em pressionar o governo federal a promover a alteração do traçado da futura ferrovia. Faz sentido, uma vez que Luiz Henrique tem na região de Joinville e todo o norte do Estado sua principal base eleitoral. O lobby é forte em Brasília para que o DNIT proceda a alteração. Itajaí e Navegantes vão ficar a ver navios?

SEGURA O FRANGO III

A decisão pode sair nos próximos dias. Segundo o deputado estadual Pedro Uczai (PT), coordenador da Frente Parlamentar das Ferrovias, o DNIT deve lançar ainda em setembro o edital para a contratação do projeto executivo da obra, orçada em cerca de R$ 1,9 bilhão. ?A mais forte razão pela opção Itajaí está no fato de termos um porto que é referência em congelados, sendo o transporte de tais cargas a própria razão de existência de tal ferrovia?, argumenta Níkolas.

PEC DOS VEREADORES I

Cabe ressaltar a conduta do presidente da Câmara de Vereadores de Itajaí, Luiz Carlos Pissetti (DEM), na questão da PEC que autoriza o aumento do número de vereadores. Sem ficar em cima do muro ou adotar um comportamento corporativista tal como a maioria, Pissetti tem dito firmemente e com todas as letras que é contra o aumento da quantidade de vereadores na atual legislatura, apesar de sua posição não agradar à classe política e aos partidos.

PEC DOS VEREADORES II

Pissetti tem usado como exemplo de quão desnecessário é aumentar o número de vereadores um dado interessante e revelador. Trata-se do fato de a legislatura atual de Itajaí, com 12 parlamentares, apresentar produtividade cerca de 75% maior que a da legislatura anterior, com 21 vereadores, no mesmo período (janeiro a agosto do primeiro ano do mandato). No caso de Itajaí e certamente de todo o Brasil, esta PEC é um retrocesso, um passo atrás.

PONTE QUE PARTIU! I

A prefeitura de Itajaí deu R$ 100 mil para a Associação Amigos do Marcílio Dias e o Semasa deu R$ 40 mil para a Associação do Servidores do Semasa para a entidade organizar a Copa Samae. Com estes R$ 140 mil poderiam ser construídas, em parceria com Brusque, duas pontes como a que foi destruída no bairro Limoeiro. E ainda sobrava, considerando que, segundo o vereador Marcelo Werner (PCdoB), o custo para reconstruir a ponte é de R$ 60 mil para cada município.

PONTE QUE PARTIU! II

Como naquela altura o rio Itajaí-Mirim demarca a divisa entre os municípios de Itajaí e Brusque, a obra, além de barata, fica facilitada, uma vez que pode ser compartilhada entre as duas cidades. Mesmo assim, até agora nada. Quando da visita do colunista ao Limoeiro, Marcelo Werner informou que as tratativas com a cidade vizinha já foram iniciadas e a prefeitura de Brusque se mostrou disposta a refazer a ponte. Itajaí é que estaria empacando a coisa.

PONTE QUE PARTIU! III

Como relatado neste espaço há duas semanas, a ponte pênsil do bairro Limoeiro foi sugada pelo rio Itajaí-Mirim durante a enchente de novembro de 2008 e até hoje não foi reconstruída. A ausência da ponte tem causado diversos transtornos aos moradores da localidade. A propósito, o prefeito Jandir Bellini (PP) lembrou que o Limoeiro existe e no dia 14 fez uma visita ao bairro acompanhado do vereador do PCdoB. A ver se as coisas melhoram naquele esquecido lugar…

NASSIF

Em palestra na Univali na quinta-feira, o jornalista Luís Nassif defendeu que ?o advento da internet acabou com o monopólio dos jornais sobre a informação?. Explicou também como o governador José Serra (PSDB) mantém a chamada grande imprensa ao seu serviço em São Paulo: injetando muito dinheiro público nas grandes empresas de comunicação ? prática que se observa nos últimos anos também aqui na Santa Catarina ?descentralizada?, não é mesmo?

PERGUNTAS

O Teconvi foi chamado para pagar a parte que lhe cabe na reconstrução do porto, como cobrou o procurador do Ministério Público no TCU, Lucas Rocha Furtado, e conforme determinou o TCU no mesmo acórdão que liberou o prosseguimento imediato das obras, seguindo o relatório do ministro Augusto Shermann? Ou a Secretaria Especial dos Portos segue bancando toda a obra com dinheiro público, inclusive a área arrendada que deveria estar segurada pelo Teconvi?

  •  

Deixe uma Resposta