• 11 nov 2009
  • Postado por Tiago

“Não é com o governo se desresponsabilizando e lavando as mãos que vamos conseguir resultados positivos na educação em Santa Catarina. O governo deveria é pensar no movimento inverso, se comprometendo cada vez mais com a educação infantil, o ensino fundamental e a expansão do ensino superior”, deputado Pedro Uczai (PT), sobre o projeto de lei do governo do estado que pretende municipalizar o ensino fundamental

SAÚDE I

A vice-prefeita e secretaria de Saúde de Itajaí, Dalva Rhenius (DEM), entrou em contato com a coluna para comentar as críticas aqui publicadas na segunda-feira. Dalva esclareceu que os problemas causados pela enchente causam dificuldades na secretaria da Saúde e que o momento ainda é de reconstrução. “Estamos trabalhando muito”, garante a secretária, acrescentando que ocupa o cargo como interina.

SAÚDE II

Dalva afirmou que a situação herdada na pasta não é culpa da administração anterior, mas sim da tragédia de novembro passado, que provocou grandes danos físicos às unidades. Também declarou que, embora ainda não esteja sendo possível cumprir a promessa do remédio em casa, não estão faltando remédios para a população na rede pública. E fez questão de dizer que não é candidata a nada.

ENSINO FUNDAMENTAL

Há três semanas, o deputado estadual Pedro Uczai (PT) esteve em Navegantes, onde presidiu uma audiência pública sobre o projeto de lei do governo do estado que pretende jogar para os municípios a responsabilidade total pelo ensino infantil e fundamental. A câmara de vereadores, local do encontro, ficou lotada por professores e outros profissionais da área da educação e pedagogia.

MOBILIZAÇÃO

Todos os presentes se mostraram contrários ao projeto. De acordo com Uczai, tentativas deste tipo foram feitas em outros estados nos anos 90, mas atualmente somente Santa Catarina tenta emplacar esta proposta maluca. Ele alertou sobre uma série de problemas que tal medida pode causar se for adotada e pediu a mobilização dos professores junto às lideranças políticas locais contra o projeto de lei.

BIZARRO

O aspecto mais bizarro do projeto é que o governo estadual pretende se livrar do pepino empurrando o ensino fundamental para os municípios sem dar suporte financeiro algum para as cidades. Os municípios, que em sua grande maioria vivem em situação financeira caótica, teriam que arcar sozinhos com esta nova e dispendiosa despesa. Parece até piada de mau gosto do governador Luiz Henrique (PMDB).

IMPACTO

Uczai ressaltou que a municipalização do ensino fundamental causará impacto financeiro aos municípios e alterações na carreira dos professores. “Uma das exigências impostas aos municípios é o ressarcimento ao Estado, por meio de desconto no fundo de Participação dos Municípios (FPM), do valor do vencimento do professor optante pela permanência na unidade escolar municipalizada”, alertou.

E O DEBA?

No caso de Navegantes, resta saber a posição do deputado Deba Cabral (PMDB). Membro da base de sustentação do governo na assembleia Legislativa e correligionário do governador, Deba Cabral, que já foi prefeito por três mandatos e conhece a fundo a realidade dos municípios, ficará do lado do governo ou do lado dos municípios e dos professores de Navegantes?

PROTÓGENES I

Não se fala de corda em casa de enforcado. O delegado da polícia Federal, Protógenes Queiroz, cancelou a palestra marcada para amanhã no paço municipal de Itajaí. O tema da palestra era “Corrupção: males e efeitos na sociedade”. Protógenes justificou o cancelamento do evento devido a reunião com advogados em Brasília para tratar da decisão da corregedoria da PF pela sua suspensão da função de delegado.

PROTÓGENES II

Filiado recentemente ao PC do B, Protógenes viria a Itajaí a convite do diretório local do partido ex-comunista. O delegado ganhou fama nacional ao dirigir investigações e operações que resultaram na prisão de figurões, entre outros, como o político Paulo Maluf e o banqueiro Daniel Dantas – este solto duas vezes em tempo recorde pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes.

PROTÓGENES III

Na semana passada, a PF decidiu suspendê-lo das funções de delegado, alegando que Protógenes desrespeitou o estatuto da instituição por ter participado de propaganda política no ano passado. “É uma injustiça, uma perseguição. Sou perseguido porque faço o combate à corrupção”, defende-se. “É um ato de tirania. O verdadeiro bandido, o banqueiro bandido [Daniel Dantas], está solto”, disse ao site do PC do B.

EXAGERO

Lamentável a decisão da Uniban de expulsar a estudante que foi hostilizada por usar roupas, digamos, provocantes. Por mais que o traje da moça não fosse apropriado para o ambiente universitário, nada justifica as agressões e humilhações que ela sofreu naquela ocasião, muito menos a expulsão da universidade. Machismo e hipocrisia. Menos mal que voltaram atrás na decisão da expulsão.

REGISTRO

O advogado da associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí (Amfri), Cirino Adolfo Cabral Neto, mestre em Gestão de Políticas Públicas e autor de livro sobre inexigibilidade de licitação em contratação de artistas, entrou em contato com a coluna tecendo elogios ao trabalho desenvolvido neste espaço. O colunista agradece a preferência bem como as palavras de apoio do ilustre leitor.

  •  

Deixe uma Resposta