• 04 jan 2010
  • Postado por Tiago

Fernando-Alecio---obama-nobel

?Que merda, dois lixeiros desejando felicidades do alto de suas vassouras, dois lixeiros, o mais baixo da escala do trabalho?, Boris Casoy, apresentador do Jornal da Band

IMPROBIDADE I

Está marcada para o dia 19 de janeiro, às 14h, na sala de audiência da Vara da Fazenda do Fórum de Itajaí, a audiência de instrução e julgamento do processo número 033.04.008509-3, uma ação de improbidade administrativa movida pelo Ministério Público contra o prefeito Jandir Bellini (PP), Edison D?Ávilla, Augusto Emílio Dalçoquio, Jamylle Branco Ferreira e Antônio José da Silva.

IMPROBIDADE II

O processo tramita desde 2004, quando o Ministério Público denunciou supostas irregularidades na desapropriação de um imóvel pela prefeitura de Itajaí em 2003. O referido imóvel, no bairro São João, era de propriedade de Antônio José da Silva, então secretário municipal da Criança e do Adolescente. O valor pago na época pelo município a Antônio pela aquisição da casa foi R$ 210 mil.

IMPROBIDADE III

A prefeitura comprou o imóvel do secretário para abrigar o Centro de Educação Infantil Vereador Heluiz Gonzaga, que teve de ser removido do seu antigo endereço, na rua Alberto Werner, em virtude da construção do novo paço municipal. Além da ?coincidência? da escolha da casa do então secretário, a prefeitura utilizou irregularmente recursos do Fundef para pagar a desapropriação.

IMPROBIDADE IV

Os recursos do fundo só podem ser usados no ensino fundamental. O fundo já tinha 60% do seu recurso anual destinado ao pagamento dos professores. Os 40% restantes deveriam ser utilizado na manutenção e desenvolvimento do ensino fundamental. O imóvel comprado com o dinheiro do Fundef foi para um centro de educação infantil, que não é o mesmo que ensino fundamental.

IMPROBIDADE V

O caso veio à tona em 27 de agosto de 2003, quando o DIARINHO publicou matéria denunciando a desapropriação suspeita, com base na carta de um leitor chamado José Dirceu. Na ocasião da publicação da matéria, Edson D?Ávilla, então secretário de Educação, justificou que o imóvel foi escolhido por uma comissão designada para tal fim, que pesquisou junto a cinco imobiliárias.

IMPROBIDADE VI

Depois de publicar a matéria, o DIARINHO apresentou formalmente a denúncia ao MP, mas o então promotor da Moralidade Pública em Itajaí, Davi do Espírito Santo, não deu muita bola e disse que a desapropriação foi feita dentro da legalidade. Posteriormente, outro promotor analisou a denúncia com mais cuidado e identificou as supostas irregularidades, dando origem à ação de improbidade.

COBRANÇA

Leitor de Navegantes entra em contato com a coluna para lembrar que em entrevista a um programa de televisão, o prefeito Roberto Carlos (PSDB) havia dito que em sua administração não haveria horário diferenciado durante o verão ou mesmo na semana do Natal e do Ano Novo. Mas que não foi bem isso o que aconteceu na semana passada, quando muita gente não trabalhou na prefeitura, segundo o leitor.

CPI I

Os escandalosos contratos da árvore de Natal e do show do Andréa Bocelli em Florianópolis podem resultar em uma CPI. Pelo menos é o que pretende o vereador João Amin (PP), que denunciou os contratos suspeitos ao Ministério Público e vai pedir a instalação de uma comissão de investigação no Legislativo quando a Câmara de Vereadores retomar suas atividades, em fevereiro.

CPI II

Os contratos chamam a atenção pelos valores vultuosos. A montagem da árvore de Natal foi contratada por R$ 3,7 milhões, enquanto o show do cantor italiano ? que acabou cancelado ? havia sido contratado por R$ 3 milhões. Segundo reportagem do portal Terra, o cachê cobrado por Bocelli pela apresentação seria de 200 mil dólares, ou seja, cerca de R$ 400 mil.

PIADA

Sem dúvida, a piada de mau gosto do ano que passou foi a escolha do presidente norte-americano Barack Obama como prêmio Nobel da Paz. Um equívoco que afeta gravemente a credibilidade do prêmio. Além de não ter feito absolutamente nada de concreto que justificasse receber o prêmio, Obama mantém as duas guerras promovidas na era Bush e ? pior ? aumentou o número de militares americanos no Afeganistão.

VERGONHA I

Outro dia, o jornalista Luiz Carlos Azenha escreveu no seu blog viomundo.com.br a seguinte frase: ?Se os pobres brasileiros odiassem os ricos tanto quanto os ricos odeiam os pobres, o Brasil viveria um banho de sangue?. Boris Casoy protagonizou um claro exemplo disso ao demonstrar todo seu preconceito contra os garis que ele humilhou e, por tabela, todas as pessoas financeiramente menos favorecidas.

VERGONHA II

Não à toa este imbecil sempre externou seu ódio em ver um ex-operário na presidência da República. Se a ?gafe? ou ?deslize? tivesse sido de um ministro, toda a imprensa ? inclusive a Band ? estaria neste momento exigindo a renúncia ou demissão do mesmo, certamente. E por que a Band não demitiu até agora este lixo humano que envergonha a classe dos jornalistas? Casoy, tu és uma vergonha!

  •  

Deixe uma Resposta