• 29 jan 2010
  • Postado por Tiago

“Tenho sofrido muito com as frequentes manifestações contra a minha pessoa. Estou pagando um preço muito elevado […] Espero que a verdade e a justiça sejam restabelecidas”, Leonel Pavan, em carta enviada à Assembleia Legislativa

SANEAMENTO I

A coluna registrou na quarta que Esperidião Amin (PP) disse que, quando era governador, o governo federal era proibido pelo FMI de investir em saneamento básico. Na sessão solene que o homenageou em Balneário Camboriú, Amin lembrou do episódio, ocorrido numa reunião com o finado governador paulista Mário Covas e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

SANEAMENTO II

Amin recordou que, na ocasião, Fernando Henrique explicou que para o FMI saneamento básico não era investimento, mas sim gasto. Razão pela qual o governo brasileiro não podia colocar dinheiro neste tipo de obra. Como seguia à risca a cartilha do FMI, Fernando Henrique aceitou tal barbaridade, proporcionando anos de atraso ao Brasil no quesito saneamento básico.

SANEAMENTO III

Felizmente, o Brasil deu um pé na bunda do FMI e aquela política de fazer do país um mendigo pedindo esmola é parte do passado. Ironicamente, hoje o Brasil empresta dinheiro para este fundo. Amin ressaltou que o país passa por um momento “relativamente privilegiado” e que, diferente do seu tempo de governador, “agora há dinheiro para investir em saneamento”.

VEXAME

Estranha a organização da Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú na sessão solene de quarta-feira. Quando eram apresentados slides, os convidados – Esperidião e Angela Amin entre eles – tiveram que ficar em pé por longo tempo, encostados numa parede. Até o ex-prefeito Haroldo Schultz, um senhor de idade, teve de passar por tal situação. Vexame para a Câmara. Feio mesmo.

IMPUNIDADE I

Questionado pelo colunista sobre qual foi o maior erro de Luiz Henrique da Silveira (PMDB) nos seus sete anos de governo, Amin deu a resposta na ponta da língua. “É o governo da impunidade. Está colhendo os frutos da impunidade. O governo que teve mais escândalos publicados e abafados foi o do Luiz Henrique. Todas as CPIs foram abafadas”, disparou.

IMPUNIDADE II

“O governador, em sete anos, se orgulha de não ter permitido nenhuma CPI, pois eu me orgulho de nunca impedir CPI. Eu me orgulho porque nunca impedi prorrogação de CPI. Me orgulho muito”, prosseguiu o presidente de honra do PP catarinense. “O maior erro é o governante usar o seu poder de fogo para assegurar que não haverá investigação incômoda sobre seu governo”, concluiu.

DIÁLOGO

A coluna também perguntou a Amin quais acertos ele aponta no governo de seu adversário, ao que ele respondeu: “Eu não acho que tudo foi errado. Absolutamente. Por exemplo, a capacidade ouvir e dialogar com a polícia foi interessante. Os policiais dizem que foi enrolação. Mas há aspectos positivos neste diálogo. Este governo talvez não seja do diálogo, mas aparenta”.

SAUDADE???

Essa é para rir: há quem diga que o ex-prefeito Volnei Morastoni (PT) teria sido aconselhado por “conselheiros” a sumir do mapa por uns tempos. Na cabeça dos trais “conselheiros” a “estratégia” teria o seguinte efeito: o povo vai sentir saudade do ex-prefeito. Pode? E o pior é que Volnei aparentemente acreditou e estaria seguindo a “estratégia” estapafúrdia.

2012

Como a coluna havia comentado meses atrás, o projeto político de José Roberto Provesi com sua entrada no PSDB visa as eleições municipais de 2012. Além das evidências naturais, o próprio reitor da Univali deixou isto claro no encontro do PSDB de Itajaí na segunda-feira. Segundo o Blog do Magru, Provesi, em seu discurso, falou em “consolidar um projeto de poder para 2010 e até para 2012”.

MENTIRA I

Circula na Internet uma asneira sem tamanho sobre o auxílio-reclusão, aquele benefício previdenciário devido aos dependentes do preso cuja última remuneração não ultrapasse o teto de R$ 798,30. O e-mail que espalham diz que cada dependente ganha R$ 798,30. Mentira. O valor do benefício é calculado nos mesmos moldes de uma pensão por morte e é dividido em partes iguais para cada dependente.

MENTIRA II

Por exemplo, se o sujeito tem cinco filhos menores, o valor da média será dividido em cinco e não multiplicado por cinco como diz o e-mail mentiroso. Outra mentira bem cabeluda do tal e-mail é tentar passar a impressão de que o auxílio-reclusão foi criado em 2009. Trata-se de um benefício implantado pela lei 8.213, de 24 de julho de 1991. O engraçado é que só agora, 19 anos depois, é que o “descobriram”.

SALÁRIO MÍNIMO I

Matéria da revista Exame destaca a valorização do salário mínimo no governo Lula. “Com a política de aumento acima da inflação dos últimos anos, o piso salarial atinge o maior patamar da história e já permite acesso ao consumo. Nunca antes neste país…”. Cita como exemplo um faxineiro do Rio de Janeiro, começou o ano com aumento salarial de 9,7%, mais que o dobro da inflação anual de 4,3%.

SALÁRIO MÍNIMO II

“O aumento fixado pelo governo elevou o mínimo de 465 para 510 reais, quantia suficiente para a compra de quase duas cestas básicas e maior valor real registrado em sua história de 70 anos. Trata-se de um mínimo que já não é mais tão mínimo e permite acesso aos primeiros degraus do mercado de consumo”, constata a reportagem. E olha que a Exame é da Editora Abril, que odeia o Lula…

PROIBIDO PARA MENORES

O filme do ‘Lula, o filho do Brasil’, que retrata a vida do presidente da infância até a morte de sua mãe, em 1980, não tem atingido os números de bilheteria esperados quando do lançamento. Um petista comentou: “Se o filme do Lula está com bilheteria baixa, imagine um filme sobre o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso”. Uma coisa é certa: seria proibido para menores de 18 anos.

  •  

Deixe uma Resposta