• Postado por Tiago

Uma muié escolada no mundo do crime acabou nas garras dos homisdalei quando resolveu tirar uma nova carteirinha de identidade, em Balneário Camboriú. A tansa achou que podia fazer os puliças de bobos e deu as caras na delegacia regional. Os tiras consultaram o nome dela no sistema caça-bandido e descobriram que a ficha tava mais suja do que pau de galinheiro. Ela foi levada de mala e cuia pro xilindró.

Era por volta das 15h quando Cleide Martins de Carvalho, 51 anos, apareceu na depê pedindo pra fazer uma nova identidade. Ela até fez cara de santa, mas a farsa não colou. Bastou os homis digitarem seu nome no computador pra aparecer uma ficha criminal mais comprida que uma jiboia.

Cleide tinha um mandado de prisão temporária e outro de prisão preventiva nas costas, pedinchados pela dona justa da Maravilha do Atlântico. A muié, que não é flor que se cheire, já tinha cumprido alguns anos de jaula no Paraná, por ter assassinado o marido a sangue frio, na cidade de Maringá, onde viviam os pombinhos.

Assim que ficaram sabendo das tretas em que Cleide tava envolvida, os homisdalei da delega regional telefonaram pro pessoal da central de operações policiais (COP) e avisaram que a mulé tava por lá. Os tiras não demoraram a pintar na área de lascaram o teje preso nela ali mesmo. A mulé ganhou uma vaguinha no lotadaço cadeião do Balneário.

  •  

Deixe uma Resposta