• Postado por Tiago

O eletricista Robson de Borba, 23 anos, foi parar num caixão quarta-feira, em Ilhota, depois de levar um tremendo choque quando arrumava uma máquina de lavar. O coitado tomou uma descarga elétrica tão grande que o coração não resistiu, teve uma parada cardíaca e ficou entre a vida e a morte. Os bombeiros conseguiram reanimar Robson, que morreu ao dar entrada no pronto-socorro do hospital Marieta Konder Bornhausen, em Itajaí. Foi o segundo acidente envolvendo energia elétrica na região, em duas semanas.

Os bombeiros acreditam que Robson se acidentou porque tava trabalhando em uma área molhada, não teve cuidado e acabou levando o choque, na rua João Domingos Pereira.

Na terça-feira passada, José Balieiro, 48 anos, levou uma choque na rede de alta tensão. O peão tava em cima de um andaime trocando a placa de um posto de gasolina na avenida Reinaldo Schmithausen, em Itajaí, quando tocou na fiação. O coitado despencou de uma altura de cerca de quatro metros, foi socorrido e levado para o hospital entre a vida e a morte. O trabalhador continua internado em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital Marieta Konder Bornhausen.

Prevenção é essencial

O chefe da agência regional da Celesc, Omar Rebello, o Baga, explica que para evitar acidentes com energia, o ideal é desligar o disjuntor antes de mexer no sistema elétrico. Ele lembra que no caso dos acidentes domésticos, as principais ocorrências são na troca de equipamentos, principalmente quando o comprador do aparelho quer dar uma de eletricista.

“Os choques podem ser tomados até na troca de lâmpadas ou na colocação do pisca-pisca nos pinheiros de Natal”, acrescenta. Quem trabalha em lugar próximo à fiação elétrica, como o pessoal da construção civil, deve evitar ao máximo chegar perto dos fios. Para terminar o serviço a Celesc deve ser solicitada para afastar a rede ou isolar com uma mangueira os fios.

  •  

Deixe uma Resposta