• Postado por Tiago

Terezinha Antunes de Souza Rosa, 47 anos, acredita que a empresa onde trampava 10 dias atrás, a Frigovale, tá mal das pernas. Ela afirma isso porque depois de ser demitida, combinou de receber seus direitos nessa quinta-feira, no Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Alimentícia de Itajaí, mas ninguém da empresa apareceu. O presidente do sindicato, Osvaldo Olávio Mafra, disse que a empresa tá com problemas e ele terá uma reunião pra ver o que será feito.

Às 16h de quinta-feira, lá tava dona Terezinha, na esperança que alguém da Frigovale aparecesse, como tinha acertado, pra pagar o que a ex-funcionária ainda tinha pra receber – cerca de mil reales, referente aos seis meses de serviço.

Como a empresa não apareceu, a senhora resolvei ir até a Frigovale, atrás de alguém que deveria ter comparecido ao sindicato. Na empresa uma funcionária do departamento pessoal falou que o responsável tava em reunião e não podia atendê-la.

Empresa cumpre contrato, afirma diretor

Apesar de dona Terezinha não ter recebido a rescisão, um dos diretores da Frigovale, Celso, que não quis falar o sobrenome, garantiu que a empresa cumpre seus contratos e prazos. Questionado sobre a data que a ex-funcionária iria colocar a mão em sua graninha, ele disse que o assunto é particular e por isso a imprensa não deve se meter.

O diretor ainda avisou que a Frigovale, a partir de agora, só vai responder ao DIARINHO por escrito. O procedimento, segundo o chefão, é pra evitar a “má interpretação” dos fatos.

Desde maio deste ano, a Frigovale não pertence mais à família do prefeito Jandir Bellini (PP). Os Bellini venderam a indústria de frango para um grupo de empresários paulistas.

Sindicato tá em cima

O presidente do Sindicato Alimentício, Osvaldo Olávio Mafra, não deu muitos detalhes da situação da Frigovale, mas afirmou que a firma tá com muitos atrasos de pagamentos. “Infelizmente é isso mesmo. A empresa tá numa situação difícil”, comentou. Na segunda-feira, o sindicato deve ter um reunião com os chefões da empresa de frangos, pra ver o que pode ser feito.

Já o responsável pelas homologações no sindicato, Juliano Rogge, informou ao DIARINHO que dona Terezinha pode entrar com um processo contra a Frigovale, reclamando o atraso de pagamento da rescisão. O sindicato pode auxiliá-la neste processo.

  •  

Deixe uma Resposta