• Postado por Tiago

Durou pouco a permanência dos bagrinhos da Secretaria do Estado da Fazenda denunciados na Operação Transparência, na terça-feira. No começo da noite de ontem, o diretor geral, Pedro Mendes e o diretor de administração tributária, Anastácio Martins, não agüentaram o tranco e pediram exoneração de seus cargos. Os acusados disseram que precisavam de tempo para estudar o processo e preparar sua defesa.

De acordo com o secretário da pasta, Antonio Gavazonni, o governo havia decido não exonerar os funcionários, já que o processo administrativo aberto para investigar as tretas dentro da secretaria concluiu que eles não fizeram nadinha de errado, ao contrário da conclusão das investigações da Polícia Federal, que enquadrou os caras por advocacia administrativa.

“Nesta fase de denúncia do processo criminal, todo mundo é suspeito, então, na dúvida, eles estão sendo investigados e tem de se defender”, disse o secretário. Gavazonni contou que os dois bagrinhos estão tranqüilos e convictos de que serão absolvidos.

Processo sumido

Sobre o caso dos documentos do processo de inscrição estadual da Arrows Combustíveis, que sumiram misteriosamente de dentro da secretaria, o bagrão diz que pediu uma cópia das parada ao procurador-geral do Ministério Público, Gercino Gerson Gomes, que enviou tudo de volta, então, segundo Gavazonni, não houve prejuízo. Mesmo assim, foi aberto um processo administrativo para descobrir quem foi o abobrão que roubou as paradas.

Novos nomes

Um dos nomes para ocupar os cargos vagos já foi decidido. Edson Fernandes, que ocupava a sub-diretoria de administração tributária foi promovido, e agora ocupa o cargo deixado por Anastácio. Já a diretoria-geral da secretaria ficará vaga até o começo do ano que vem, enquanto Gavazonni e o governador Luis Henrique da Silveira (PMDB) decidem quem assume a boquinha.

  •  

Deixe uma Resposta