• Postado por Tiago

Sempre engajado em causas sociais, o cantor Gabriel o Pensador estará em Florianópolis nesta terça-feira, 21, para uma reunião com o secretário de Educação, Rodolfo Pinto da Luz, com o objetivo de oferecer uma proposta cultural para o município.

Quando era estudante de Comunicação Social, Gabriel ficava incomodado com o conformismo dos colegas diante de problemas graves como a miséria, o racismo, a violência, a corrupção e as drogas. Para expressar sua indignação, começou a escrever letras de rap.  Mas Gabriel não ficou só nos versos. Os textos escritos pelo cantor foram reunidos no livro Diário Noturno.  A publicação reúne algumas preciosidades, como redações escolares, reproduzidas do original, contendo notas e observações dos professores.  Aliás, é aos professores que Gabriel dedica o livro, a primeira publicação do cantor.

Os poemas, as crônicas e as memórias reunidas no livro são também pautas das palestras que o cantor realiza em escolas e feiras do livro pelo país.  O prazer pela leitura e a escrita e os tempos de estudante também fazem parte do bate-papo, assim como problemas sociais, racismo e preconceito, também presentes nas músicas compostas por Gabriel.

Entre os projetos realizados pelo cantor está o livro “Um garoto chamado Rorbeto”, que faturou o Prêmio Jabuti de Literatura em 2006 e invadiu os palcos.  Com direção de Sura Berditchevsky, a história virou peça infantil e foi sucesso de público e crítica no ano passado.  Com muito humor, a peça conta a história de Rorbeto, um menino que descobre que é diferente os outros garotos.  Além do nome incomum, registrado com letra trocada por causa do analfabetismo do pai, ele tem seis dedos na mão direita.

Quando começa a frequentar a escola, o constrangimento toma conta do menino, que passa a esconder a mão dentro de uma sacola.  Mas quando aprende a escrever, a situação se reverte.  Com a mão com um dedo a mais, Rorbeto consegue fazer a letra mais bonita da classe.  Através do personagem, Gabriel trata do analfabetismo, da questão social e da aceitação das diferenças.

Assustado com a evasão escolar entre um grupo de garotos que ajudava na Rocinha, no Rio de Janeiro, Gabriel o Pensador colocou a mão na massa e acabou criando a ONG Pensando Junto, que oferece reforço escolar e cursos para um grupo de 30 crianças carentes.  O projeto proporciona acesso à cultura, educação, lazer, alimentação, acompanhamento médico, odontológico e psicológico.

Para ingressar no projeto, os interessados devem estar frequentando a escola.  O Pensando Junto oferece aulas de rap, break, DJ, português, matemática, cidadania, informática e artes plásticas.

  •  

Deixe uma Resposta