• Postado por Tiago

abre-10-DONATIVOS-PARA-DOACAO-(7)

Dona Maria, 80 anos, mandou roupa até pros parentes do oeste

Roupas e sapatos de inverno e verão pra homens, mulheres e crianças, a maioria em bom estado, tão à disposição da galera de baixa renda, que só vai fazer prestação este ano se quiser. São 15 toneladas de material que sobrou das doações feitas por brasileiros de todo o país, sensibilizados pelo drama da enchente de novembro. O galpão ficará aberto em horário comercial até o dia 30 de maio na rua Curt Hering, nº 20, ao lado da antiga fábrica de papel.

Quem não perdeu tempo foi dona Maria Silveira, 80 anos. Mãe de quatro filhos, avó de 15 netos e bisavó de 14 bisnetos, Maria diz que fez a festa este ano com as doações da enchente, apesar de sua baia no Imaruí não ter sido atingida. ?Na Marejada peguei travesseiro, cobertor, lençol, roupa pros netos, bisnetos, vizinhos e até pros parentes do oeste. Eles são da roça, ficaram tão felizes! Tô abastecida pro resto da minha vida?, exagerou.

Ela veio com cinco amigas garimpar no galpão, que tá lotado de sapatos, todos misturados, sendo que alguns dá pra encontrar o par. Já as roupas tão dobradinhas e separadas em dois contêineres, afinal, a prefa gastou R$ 120 mil nisso. E com medo que o povo misture tudo de novo, fica um cara ligado na quantidade de pessoas que entram pra escolher o material.

A secretária do desenvolvimento social, Rosane Casas, disse que cerca de 500 toneladas de roupas e sapatos já foram doados pra cidades da Santa & Bela como São Bento do Sul, Agrolândia, Araquari, Mafra, Irani e Campo Alegre. E teve até caminhões indo pra cidadezinhas do Rio Grande do Sul, Paraná e Bahia. Depois do dia 30, o que sobrar do material deve ir pro mesmo terreno onde foi parar a mesma carga, que resultou naquele bafafá todo.

O superintendente da fundação municipal do meio ambiente (Famai), Milton Dauer, disse que agora o local, na Itaipava, foi licenciado pra colocação de resíduos de construção civil, na categoria em que estariam as roupas e sapatos. ?De acordo com a resolução 307 do Conama, o município precisa de um local pra colocação destes resíduos, que ainda não estava licenciado pela falta da assinatura de comodato. Agora está tudo legalizado e não compromete o meio ambiente?, garantiu.

Dilema surreal

As doações, que foram uma mão-na-roda pra pessoas como dona Maria, acabaram se transformando num baita problema ambiental, moral e político, pois vieram numa quantidade muito além das necessidades. Em Itajaí, roupas foram enterradas, dando origem a uma sindicância; em Blumenau, o mesmo aconteceu com alimentos; em Ilhota, antes do recente escândalo das roupas vendidas para um dono de brechó, que acabou preso, um galpão cheio já tinha pegado fogo e as roupas inutilizadas.

O procurador João Paulo Bastos, que tá à frente da sindicância interna da prefa pra checar as responsabilidades, disse que as doações, além de se constituírem num patrimônio, estão tomadas pelo sentimento de solidariedade de todo o país, por isso o assunto é tão delicado. ?O volume doado foi tão sem precedentes que acaba sendo mais caro tratar o material pra podermos doar do que comprar material novo. Mas não faremos isso, vamos tratar o assunto com o respeito que merece?, garantiu.

Ele não quis adiantar sobre o andamento da sindicância porque diz que corre em segredo, mas ainda tá na fase de ouvir pessoas e analisar provas. ?Se acharmos que houve crime, abriremos um processo administrativo, cujas penalidades vão de uma advertência até a exoneração do serviço público?, relatou. Já o vereador Laudelino Lamim (PMDB), que fez o boletim de ocorrência quando descobriram os caminhões enterrando as doações, disse que o fato dos próprios barnabés se investigarem é, no mínimo, antiético.

?Confio mais no inquérito policial, pois pessoas em cargos de confiança do prefeito, como o procurador ou a diretora da vigilância sanitária, não podem se autoanalisar. Não seria ético, não seria isento?, opinou. Na polícia civil, o caso também tá na fase de ouvir os envolvidos. A secretária Rosane Casas será a próxima. Ela foi intimada pra ir à delegacia na próxima segunda-feira.

  •  

Deixe uma Resposta