• Postado por Tiago

O corretor de imóveis Francisco de Assis Lamim, 60 anos, primo do vereador itajaiense Laudelino Lamim (PMDB), teve uma baita sorte na quinta-feira. Ele tinha um palpite de ouro no jogo do bicho, gastou 10 mangos na milhar 6925 e ganhou na cabeça. O resultado saiu às 14h de quinta-feira, com a premiação de R$ 30 mil. Quando foi buscar o prêmio, lhe disseram que a grana da sua aposta não foi entregue na banca. Agora ele quer saber o que pode fazer pra banca pagar a sua premiação, sabendo que o jogo do bicho é uma prática ilegal.

O apostador tá cabreiro. “Cheguei de noite na lanchonete Pomerode para buscar o prêmio e me falaram que o motoqueiro não veio buscar os jogos. Justo quando eu gasto 10 reais e que ganho eles não recolhem? E uma mulher que jogou também o mesmo jogo, recebeu R$ 450. Como fica isso?” questiona.

Francisco chegou a ir na manhã de ontem na delegacia dengo-dengo pra registrar o boletim de ocorrência, mas descobriu que, por se tratar de uma contravenção, ele também seria indiciado e ia acabar tendo que se ver com a dona justa. Por isso, seu Francisco mudou de ideia.

O delegado Márcio Colatto, chefão da polícia Civil no litoral, disse que pra ajudar o corretor só mesmo se ele registrar um boletim de ocorrência. “Mas ele será indiciado por contravenção. Ele responderá por um termo circunstanciado e o contraventor, no caso o bicheiro, além do termo, responderá por estelionato”, explicou.

  •  

Deixe uma Resposta