• Postado por Tiago

abre_carros-caninana_foto-felipe-vt

Pra não falir, revendedoras de Itajaí tiveram que baixar o preço dos carangos em até 20%

Com a volta da cobrança do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) os garagistas esperam um aumento de vendas de carros usados e seminovos entre 10 e 15%. A estimava é do presidente da Associação das Revendedoras de Santa Catarina (Assovesc), Alessandro Silva.

O setor de revenda de carangos usados, que em todo vale do Itajaí emprega aproximadamente sete mil pessoas diretamente, sofreu um duro golpe em dezembro do ano passado, quando o governo decidiu reduzir a cobrança do IPI sobre veículos zero quilômetro. ?Entre janeiro e março, as vendas chegaram a cair de 30 a 40% em nossa região?, diz Alessandro. A clientela aproveitou que os zero quilômetro estavam mais baratos e esqueceu dos seminovos.

Com a liberação do FGTS pro povão atingido pela enchente de novembro do ano passado e pelas enxurradas que vieram depois, o setor conseguiu evitar uma falência geral. Mas muitas lojas, afirma Alessandro, fecharam suas portas. Ele acredita que 5% das revendas de usados faliram nesse período.

Para evitar um quebra-quebra, os garagistas chegaram a diminuir em até 20% o preço dos veículos e, assim, botar lá no cu do sapo sua margem de lucro, revela o chefão da Assovesc.

Até o final do ano

A volta da cobrança do IPI para os carros zero quilômetro pode tirar da m um setor que representa 3% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, de acordo com a matemática da Federação Nacional das Revendedoras de Veículos Automotores (Fenauto).

Somente em Santa Catarina, garante Alessandro, no primeiro trimestre do ano, em pleno auge da crise das revendedoras, eram vendidos e comprados todo santo mês algo em torno de 21 mil carangos. Isso gerava um volume de negócios de R$ 1,3 milhão. ?Sinceramente, hoje eu vejo que o governo não tem acesso aos nossos números?, lamenta o chefão da Assovesc, criticando a falta de políticas públicas para o setor de revenda de usados.

Para Alessandro, as entidades que reúnem os garagistas agora vêm pressionando os bancos a diminuir o valor dos financiamentos para que as vendas voltem a bombar. Hoje, as taxas de juros das financiadoras chegam a 2% ao mês, dependendo do risco do empréstimo. ?Uma taxa média de 1,4% seria a ideal?, acredita.

Santa Catarina tem hoje 2200 revendedoras de novos e usados. Pelo menos 800 delas estão localizadas entre Itajaí e Rio do Sul. Aproximadamente 32 mil carangos e motocas são oferecidos todo mês na região. No estado, esse número sobre para 85 mil.

Em todo o Brasil são 30 mil revendedoras e mais de 600 mil empregos diretos e indiretos. Se somar o faturamento médio mensal de todas as empresas do setor, o valor chega a R$ 78 bilhões, pelos números da Fenauto.

A história do IPI

Pra não ter demissões na indústria automobilística, o governo decidiu em dezembro de 2008 tirar o IPI dos carangos zero quilômetro de mil cilindradas. Para os com potência de até duas mil cilindradas e que fossem bicombustíveis, reduziu o valor do imposto. Isso bombou a venda de carros novos, mas detonou com a revenda de usados.

O IPI volta até o final deste ano escalonado. Amanhã é o último pra comprar carro mil zero quilômetro sem o imposto. Em outubro, o preço final dos veículos será acrescido de 1,5% sobre o valor de fábrica. Em novembro, esse percentual sobe pra 3% e dezembro pra 7%, como era no ano passado.

Para os carros de até duas mil cilindradas e que são bicombustíveis, o IPI passa para 5,5% em outubro, 6,5% em novembro, 7,5% em dezembro e chega aos 11% em janeiro.

  •  

Deixe uma Resposta