• Postado por Tiago

A conquista de um cantinho para dormir e dar o mínimo de conforto para os dois filhos pequenos de três e cinco anos veio com a ajuda da prefeitura e do instituto Ressoar. Abandonada à própria sorte depois que a casa onde morava ruiu na enchente do ano passado, a dona de casa Lucimar Santana, 27 anos, viu o seu chão desabar mais uma vez quando o marido foi preso. “Era ele quem colocava comida dentro de casa. “Nunca deixou faltar nada”, contou.

Quando casou, Lucimar não tinha conhecimento de que o marido tava devendo pra justiça da Capital, que resolveu cobrar agora. A casa onde Lucimar morava, no bairro Canhanduba, em Camboriú, foi uma das primeiras a ser atingida pela enxurrada de 2008. O aviso de que tinha acabado o prazo de validade da baiúca veio com uma rachadura nas paredes da cozinha. O jeito foi pegar as crianças no colo, recolher o que dava e pedir ajuda à Defesa Civil. Depois de ficar cinco meses morando num abrigo municipal, a dona de casa começa a reconstruir a vida junto dos filhos.

Sem emprego, ela conta com a famosa solidariedade do povo brasileiro, mas sem ficar se lamentando. Às vezes, até falta comida dentro de casa, mas Lucimar é otimista com relação ao futuro. À curto prazo, a maior preocupação da dona de casa é dar um brinquedo para a crianças no Natal que se aproxima. “Queria tanto dar um brinquedo para as crianças! Mas este ano não vai ser possível. Este Natal, vou passar sozinha com eles”, lamenta. Quem quiser ajudar dona Lucimar, pode entrar em contato com nossa reportagem que a gente encaminha para a família as doações do povão solidário.

  •  

Deixe uma Resposta