• Postado por Tiago

INTERNA-POLÍCIA-ABRE---PÁGINA-SEIS-p--assalto-em-restaurante-em-balneário-camboriú-(5)

Vizinho viu a safadeza e chamou os milicos que enjaulou os malacos

Três funcionários do restaurante Oficina do Sabor, em Balneário Camboriú, foram grampeados na madrugada de ontem. Eles foram pegos no flagra pela puliça Militar, quando tentavam contrabandear uma caixa recheada de bebidas pra fora da churrascaria. Já fazia mais de seis meses que os trastes roubavam biritas e peças de picanha e filé mignon e revendiam pra fazer uma grana por fora.

O dono do restaurante já tava desconfiado há algum tempo de que tinha alguém passando a mão grande na câmara fria e carregando uma renca de carnes. O cara costuma comprar carregamentos grandes, e os empregados ladrões pensaram que ele não sentiria falta da mercadoria.

Os responsáveis pela sacanagem eram dois garçons do restaurante, José Ricardo Gaia, 20 anos, e o dimenor A.F.O., 17, que tavam mancomunados com o ex-vigia, Carlos Alberto Amâncio, 39. Pra garantir que não seriam pegos, os trastes fizeram uma gambiarra nos alarmes da churrascaria e viraram os sensores pras paredes. Os garçons retiravam a mercadoria enquanto o vigia ficava com a reponsa de acobertar o esquema caso algum alarme disparasse.

Há pelo menos seis meses, os malacos sumiam com até três caixas recheadas com 30 quilos de picanha ou mignon toda semana. Cada caixinha tá avaliada em 500 reales.

Pra completar, também carregavam todo tipo de bebidas de dentro do restaurante e revendiam pra uma pessoa que ainda não foi identificada.

O esquema só foi descoberto porque, por volta das 3h da madruga de ontem, um vizinho da Oficina do Sabor desconfiou que tinha um movimento estranho por ali e chamou a puliça. O ex-vigia, que levou um na bunda, tinha se oferecido pra cobrir a folga de um novo funcionário da segurança e tinha voltado a aprontar junto com os comparsas garçons.

Os meganhas pintaram na área e flagraram José Ricardo no lado de fora do restaurante, com um saco cheio com garrafas de uísque, vodca e conhaque. A câmara fria, onde ficam as carnes, já tinha sido aberta pelos bandidos. O vigia siscapoliu e tentou se esconder, mas acabou grampeado. Quem deu mais trabalho pros milicos foi o dimenor, que, pra tentar silavrar da jaula, se enfiou no telhado da churrascaria. Mas os fardados descobriram seu esconderijo e lascaram-lhe o teje preso.

Os três foram levados pra sisplicar. José Ricardo e Carlos Alberto ganharam uma vaguinha no presídio. O aborrescente foi levado pra depê do dimenor. A puliça vai continuar com as investigações pra saber se tem mais gente envolvida na roubalheira.

  •  

Deixe uma Resposta