• Postado por Tiago

INTERNA-11-ABRE---g---geologos-analism-pedras-no-jardim-denise.jpg-(1)

Técnico ainda não sabe se pedra será explodida ou cortada

A situação do loteamento Jardim Denise, no bairro Barranco, em Balneário Camboriú, piora a cada dia. Cinco famílias devem sair de suas casas nos próximos dias. A medida será tomada pela prefa pra tirá-las do pé do morro que ameaça desabar com um mundaréu de lama e uma pedrona de cerca de 80 toneladas. A treta foi constatada por um geólogo e um engenheiro, que bizolharam o local na quarta-feira e acham que uma avalanche pode rolar a qualquer momento. Há oito dias, 42 pessoas já tiveram que deixar seus lares, pois corriam risco de morte.

Ontem, o geólogo Arsênio Moratori e seu filho, o engenheiro Arsênio Moratori Júnior, entregaram um relatório aos abobrões da defesa civil onde recomendam a retirada urgente de, pelo menos, mais cinco famílias da área de risco. Na análise dos Moratori, é necessário haver uma margem de segurança de 100 metros pra cada lado e na frente do ponto onde está localizada a pedra.

Os caras constataram o problema na tarde de quarta-feira. Subiram os 60 metros de morro, se embrenharam na mata fechada só pra dar uma olhada de perto na pedrona e no lamaçal que ameaçam desabar. Os entendidos no assunto ficaram de cabelo em pé com a situação. Na análise deles, a rocha corre o risco de vir abaixo com qualquer chuvarada que São Pedro mandar.

Com a análise, o pessoal da defesa civil deve se reunir com o Ministério Público e o prefeito Edson Piriquito pra definir quando vai rolar a retirada das outras famílias. ?Dependemos da questão burocrática. Temos que ter um local pra colocar essas pessoas e esperar a decisão da comissão?, explicou o integrante da defesa civil, Nilson Probst. O barnabé acredita que a mudança deverá rolar semana que vem.

Engenheiro e geólogo ainda recomendam que seja feito um estudo topográfico do relevo, ou seja, que seja medida a terra e furado o solo pra ter certeza do tipo de lençol freático do local. Com o resultado, os sujeitos conseguirão saber se a encosta do morro tá firme e quanto de pressão aguenta. Só depois do resultado dos testes será possível decidir se a rocha será explodida ou cortada, já que a movimentação do calhau pode fazer com que a terra desabe em cima das casas.

Os Moratori contam que o estudo leva um tempinho pra rolar e necessita de umas porradas de traquitanas especializadas. Ainda não há data pra início dos trampos.

O início

No dia 27 de maio, técnicos da prefa descobriram que uma montoeira de lama, uma pedrona de 80 toneladas e outras duas menores estão quase caindo do morro. Se os trecos vierem abaixo, atingirão as casas da área de invasão do loteamento. Pra evitar uma desgraceira, 10 famílias que viviam por lá foram levadas pela prefeitura pra quitinetes alugadas. Não há data pra volta dos moradores.

  •  

Deixe uma Resposta