• Postado por Tiago

INTERNA_12_abre-direita_barulho-salesiano-_foto-dona-mariquinha

Berraceira de professores e alunos era ouvida a duas quadras de distância

Na manhã de ontem choveu ligação e teve até visita ao DIARINHO de pessoas bufando com a barulhada promovida por alunos e professores do colégio Salesiano, que fica na rua Felipe Schmidt, bem no centrão de Itajaí. A escola organizou uma gincana e a berraceira podia ser ouvida a duas quadras de distância. A bagunça só chegou ao fim, depois que fiscais da Fundação Municipal do Meio Ambiente (Famai) apareceram e botaram ordem na casa.

O aposentado Luiz Carlos da Silva, 60 anos, conta que a poluição sonora começou às sete da matina. ?Não há necessidade de som ali?, observa. Seu Luiz mora num prédio pertinho da escola e garante que o reclamo não é apenas seu. ?Até as pessoas dos prédios comerciais tão reclamando?, disse.

D.V., 47, foi outra leitora que procurou o DIARINHO. Diz que tava no apartamento de um prédio próximo ao Salesiano e não conseguia sequer conversar com pessoas no local.

O DIARINHO foi conferir a bronca. A repórter não precisou ir muito longe para ouvir o sonzão. Da esquina da rua Lauro Müller com a Olímpio Miranda Júnior, onde fica o DIARINHO, já era possível escutar uma mulher falando sem parar num microfone com uma voz de taquara rachada.

Passaram dos limites

Jonas José Pereira, chefão da fiscalização da Famai, disse que a barulheira foi ouvida até na repartição onde trabalha, que fica na rua 15 de Novembro. ?Nós mandamos imediatamente o nosso pessoal lá com um decibelímetro?, afirmou.

Decibelímetro é uma engenhoca que mede o volume do som e confirmou o reclamo do povão. Estava bem acima do permitido, que é de 65 decibéis até às 19h. O pessoal do Salesiano desligou algumas caixas de som e a barulheira diminuiu.

Na noite de ontem, informou Jonas, um fiscal teria voltado ao Salesiano pra conferir se tavam obecendo a lei. A partir das 19h, o volume permitido é 60 decibéis.

Som só para abertura

Eunice Oliveira, recepcionista do colégio, alega que o barulho rolou só no comecinho da manhã para uma apresentação dos alunos e por isso o microfone foi utilizado. Garante que lá pelas 10h30, 20 minutos depois que o DIARINHO esteve no local, o som já tinha terminado. ?Foi uma gincana de integração entre os pais e os alunos?, explicou.

A recepcionista confirmou que um técnico da Famai apareceu no colégio.

  •  

Deixe uma Resposta