• Postado por Tiago

Foi parar no xilindró o golpista que se passava pelo filho do delegado de Itapema, Carlos Dirceu, e por integrante do Exército pra conseguir regalias. O espetalhão pagava de oficial e só no papo conseguia alugar carros, se hospedar em hotéis e até comer digrátis. Os dias de folga do 171 acabou na terça-feira em Itapema.

Pelas investigações, Márcio Vanderlei Dutra Moreira conseguia viver com todo o conforto levando o povão no papo. O bom de lábia dizia pros comerciantes da região que era oficial do Exército e filho do delegado Dirceu. Andava até com farda e contava uma historinha de que mora fora, mas estava pela região pra fazer um curso.

Com a balela, pedia pra ficar hospedado em hotéis da região, com a garantia que o papai ia acertar as contas depois. Também passou em algumas revendas de veículos e chegou a alugar uns carangos pra viajar, tudo só com a caução que tinha as costas quentes.

A casa caiu pro Márcio depois que um sujeito passou na delegacia e disse pro delegado que esperava o filho do dotô pra fechar o negócio com um carango. Dirceu estranhou, já que o filhote está adoentado e mal tem saído de casa. Ouviu o blablablá da vítima e descobriu que a história não passava de um grande golpe. “Meu filho não é oficial do Exército”, afirmou. O filho de Carlos Dirceu é advogado.

Com as informações, o delegado pediu ajuda à polícia militar, que começou a entrar em contato com outras vítimas. Os meganhas descobriram que Márcio tava hospedado em um hotel do centro de Itapema. Deram o atraque e o levaram pra trás das grades.

Com Márcio não foi encontrado nada incriminador, mas depois de levantar a ficha do sujeito os policiais descobriram que ele devia pra justa de Joinville por furto, roubo e estelionato. Com o flagra, foi mandado pro xadrez da Terra das Flores. A polícia levanta agora o valor do preju que o golpista deixou.

  •  

Deixe uma Resposta