• Postado por Tiago

Terminou hoje o prazo dado pelo Ministério Público Estadual pro fechamento do cadeião do Estreito, em Floripa. A cadeia improvisada num dos bairros mais populosos da cidade tem sido palco de fugas em massa nos últimos meses. Em meados de agosto, 26 presos siscapoliram do local. Até o início da tarde de hoje,15 ainda não haviam sido recapturados.

Além da falta de segurança atormentar a vida dos moradores da região continental, o local não é adequado pra abrigar a vadiagem. A pouca ventilação já resultou em surto de sarna no cadeião. Fora isso, o local vive lotado. Sempre tem mais preso do que espaço por lá.

De acordo com o secretário de Segurança Pública, Ronaldo Benedet, o governo não tem como confirmar quando irá desativar o cadeião. Ele garante que as negociações com a prefa de São José pra construção duma cadeia por lá tá bem adiantada. “Faremos uma permuta de doação do terreno onde será executado o projeto. Já temos o edital para iniciar a obra”, explica.

Segundo o secretário, o prazo do MPE não assusta a secretaria de Segurança. “Temos limites legais e por isso ainda não iniciamos a obra. Mas está tudo encaminhado para que isso seja resolvido o mais rápido possível”, confirma.

A unidade prisional será construída no bairro Forquilhinhas, em São José. Terá capacidade pra abrigar até 350 presos e será copiada de um modelo espanhol, que dará aos presos condições de estudos e trabalhos. Quando pronta, a central de triagem abrigará presos que lotam o cadeião do Estreito, as delegacias da Grande Floripa e as centrais de polícia da capital e de São José.

O MPE volta a se pronunciar sobre o caso hoje. Até hoje, ainda aguardava um posicionamento do Estado.

Continua na edição de amanhã do DIARINHO.

  •  

Deixe uma Resposta