• Postado por Tiago

A secretaria da Saúde da Santa & Bela confirmou ontem mais uma morte por conta da gripe suína. Desde maio, quando foi confirmado o primeiro caso da peste por estas bandas, nove pessoas morreram em virtude de complicações provocadas pelo vírus H1N1.

A nona vítima é um homem de 42 anos, que morava em Lages. O coitado não teve nem tempo de saber que tava com a gripe. Após dois dias com os primeiros sintomas, ele morreu. A secretaria da Saúde informou que o homem tinha problemas cardíacos e sofria com a hipertensão.

Das mais de 30 mortes que tavam sendo investigadas até a semana passada, duas foram descartadas. Um dos casos era de uma criança de 13 anos, de Itajaí, que morreu no dia 13. A menina, que era portadora de necessidades especiais e encefalopatia, morreu por conta duma pneumonia e insuficiência cardíaca, mas não era gripe suína.

Nos próximos dias deve aumentar o número de casos confirmados da doença. Tudo porque a secretaria da saúde aguarda o resultado de centenas de exames de pacientes de todo o estado que foram enviados à Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro. Os resultados levam até duas semanas pra ficar prontos.

Conforme o boletim da vigilância epidemiológica, 142 pessoas contraíram a gripe suína no estado. As nove mortes estão incluídas neste total. Já são 681 casos investigados e 278 foram descartados.

Aulas já!

Em reunião com prefeitos, ontem pela manhã, na capital, o governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) conseguiu convencer a rapaziada de que não há necessidade de suspensão das aulas por conta da gripe suína. Na semana passada, 87 municípios interromperam o período letivo pra reduzir o risco de propagação do vírus. A partir de hoje, as aulas serão retomadas na maioria das cidades. Quem ainda não confirmou o retorno das atividades são municípios da região de Joaçaba, que não estavam representados no encontro com o chefão do estado.

Tudo bem

A Fecomércio divulgou ontem que o comércio varejista da Grande Floripa não registrou queda no movimento por causa da gripe A. Uma pesquisa realizada em mais de 150 empresas, entre 13 e 17 de agosto, mostra que 57% dos empresários não tiveram problemas até agora. Porém, 38% dos empresários identificaram redução no fluxo de clientes. Farmácias e drogarias são os únicos que não reclamam. Registraram aumento de vendas de 5% desde o aviso que a doença já não era mais coisa pra gringo ver.

A Fecomércio também pesquisou os shóppis. Nos quatro maiores da Grande Floripa não houve redução de movimento. Pelo contrário, no mês de julho foi registrado um crescimento de 26% de público, em relação ao mesmo período do ano passado somente num shóppis do centro da ilha.

  •  

Deixe uma Resposta