• Postado por Tiago

INTERNA_13_abre-esquerda_rua-paulo-herbert-cabecudas---foto-felipe-VT-03-(3)

Praticamente toda a rua ficou interditada pra Famai investigar a denúncia furada

De tanto encher o saco, o morador bocudo da rua Lúcia Serafim de Oliveira, na Praia Brava, em Itajaí, conseguiu o que queria. Ontem, a peãozada da secretaria municipal de Obras, a pedido dos fiscais da fundação do meio ambiente peixeira (Famai), cavocou toda a rua pra tentar encontrar as supostas ligações de esgoto das baiucas da rua. O resultado não chegou nem perto da denúncia do leitor. ?Não encontramos nenhuma ligação clandestina?, afirmou Denise Silva, engenheira química da Famai.

Ontem, o DIARINHO publicou o reclamo de um dos moradores da Brava. Ele acusava a vizinhança de ser a responsável por um esgoto a céu aberto. ?Tá há dois meses a mesma coisa. O esgoto continua sendo lançado na rua?, detonou.

Com base na denúncia, a Famai resolveu dar um um jeito de vez no problema. Ontem cedinho, o maquinário já tava ocupando a rua e fazendo um reboliço por lá. Uma cratera foi aberta em toda a extensão pra tentar encontrar a tal ligação clandestina denunciada. O problema é que a história só deu trabalho. Nadica de nada foi encontrado. ?Nós vistoriamos as ligações de esgoto de todas as casas?, garantiu o fiscal Maurício dos Santos.

A história revoltou a vizinhança da rua. Renato Risseti, 59 anos, lembrou que as denúncias já rolam há tempo e que todas as vezes a Famai compareceu por lá pra dar uma intimada no povão, ao contrário do que reclamou o leitor bocudo. ?Eu tinha certeza que essa denúncia era furada. Tanto que falei pros fiscais da Famai que se fosse o meu esgoto que estaria trazendo o problema, eu beberia a água?, contou.

Simone Chimendes, 35, também ficou dicara com o problemão provocado pelo vizinho sem noção. Ela garante que a água podre que ocupa a rua é da chuva. ?Essa água tá ali há anos. É água da chuva que desce do morro e não tem pra onde escoar?, afirma.

A moradora disse ainda que o local que abriga a água fedorenta é de propriedade particular. O dono do terreno aterrou uma lagoa que existia ali e deixou um buraco, depois que a prefa embargou a obra. Como o solo é muito molhado, não tem condições de absorver o aguaceiro da chuva. O que acontece, é que uma das bocas de lobo que suga a água da chuva passa pelo buraco, que fica sempre cheio.

Com a sua parte feita, os fiscais da Famai aproveitaram o caso pra dar um recado pro povão. As denúncias de irregularidades podem ser feitas pelo telefone 3348-8031. Os barnabés dizem que estão a postos pra atender os moradores e, se preciso for, montar um batalhão e investigar as possíveis irregularidades.

  •  

Deixe uma Resposta