• Postado por Tiago

Biblioteca fica na rua Heitor Liberato, ao lado da Praça da Bíblia

Texto Martha Kienast

Fotos Felipe VT

Ao lado da praça da Bíblia, onde o silêncio só é interrompido pelo canto dos passarinhos, existe um lugar cheio de histórias e informação. No ano em que a primeira biblioteca pública de Itajaí completa 10 anos de fundação, a equipe do DIARINHO passou uma tarde no local. Leu, navegou na internet, ficou por dentro das notícias e viajou pelo mundo da fantasia. Tudo digrátis.

Basta atravessar a porta de madeira para se deparar com o enorme salão da biblioteca Norberto Cândido Silveira Júnior. Poucos metros a frente, se encontram estantes repletas de publicações. São 38 mil livros de diversos estilos e nacionalidades, que já foram locados por cerca de um milhão de leitores, desde a inauguração em 27 de junho de 2000. Obras que vão desde os contos infantis como o da Cinderela, até autores renomados como o brasileiro José de Alencar, que escreveu O Guarani.

A biblioteca também é o lugar dos livros da modinha. Os mais locados nos últimos três meses são a trilogia do ?Crepúsculo?, escrito por Stephenie Meyer. ?Geralmente são aqueles (livros) que acabaram virando filme?, conta o funcionário da biblioteca Nilson Júnior. Quem já leu todas estas obras é Maria Isabel da Silva, 15 anos. Ela tirou um dia das férias do colégio Victor Meirelles, pra escolher outro livro. ?Leio de tudo, mas prefiro os românticos?, declarou.

Por lá ainda há vaga pras crianças, onde há uma área de histórias infantis e quadrinhos. Há também publicações em braile, que são aqueles pontinhos em alto relevo pros cegos. É liberado ainda espaço pra jogos de tabuleiro.

Algumas prateleiras inteiras são reservadas pra livros feitos no estado, que tratam da pesca e porto. Foi isto que levou até lá o auxiliar de movimentação portuária da Portonave, Luís Everton Ferreira de Melo, 30. ?Vim por causa do serviço, pra procurar algo mais interessante?.

No corredor, trancados num armário de madeira e vidro, estão às publicações pessoais do jornalista Silveira Júnior, que dá o nome ao casarão. Obras de Monteiro Lobato, Érico Veríssimo e até José de Alencar, com assinatura dos próprios autores.

Na biblioteca ainda há área para aqueles amantes das notícias. Revistas e jornais de toda Santa & Bela ficam a disposição diariamente e digrátis. O DIARINHO é o mais disputado. ?Por ser daqui, todos querem ler?, conta o funcionário José Guilherme Cardoso de Oliveira.

Em contraste com o casarão antigo, há espaço pra mídia eletrônica. São sete computadores que ficam à disposição da galera que quiser pesquisar. O povo usa também pra mandar currículos pra empregos e se inscrever nos concursos públicos.

A tecnologia ainda é usada na pesquisa das obras. Pra achar qualquer coisinha que tem lá dentro basta fuçar num dos três computadores espalhados pelo casarão ou conferir na página online da biblioteca pelo http://www.biblioteca.itajai.sc.gov.br/.

Para poder pegar um livro emprestado é exigido apenas que apresente documento de identidade e comprovante de residência. A biblioteca é aberta pros 11 municípios da Associação da Foz do Rio Itajaí-açu (Amfri). Os livros ficam 15 dias emprestados e podem ser renovados por até um mês. Caso o ladino do leitor não volte a tempo, paga multa de 1 real ao dia. A grana é usada pra compra de novas obras.

  •  

Deixe uma Resposta