• Postado por Tiago

Onda de crimes obrigou as autoridades a se coçar, mas nome de mortes não para

Balneário Camboriú registrou ontem o décimo segundo assassinato desde o início do ano. Um tiozinho levou um pipoco certeiro no bairro Vila Real, por volta da uma da madruga de ontem, e acabou morrendo mais tarde no hospital Santa Inês. A polícia já tem dois suspeitos de terem cometido a barbaridade.

A desgraceira rolou na rua Dom Daniel, pertinho do cruzamento com a rua Anitápolis. A polícia militar recebeu um telefonema avisando que tinha um homem estrebuchado na chón, e foi bizolhar o caso.

Quando chegaram ao local, pouco depois da 1h de domingo, os milicos encontraram Joacir Jaime Jaques, 42 anos, caído, vítima de um balaço na cabeça.

Apesar da gravidade do ferimento, o homem ainda tava vivo. O Samu foi acionado e levou o coitado pro Santa Inês, mas ele não resistiu e acabou passando dessa pra uma melhor poucas horas depois.

Bizolhudos de plantão disseram à puliça que viram dois homens dispararem quatro pipocos contra Joacir. Só um dos tiros acertou o pobre. Os matadores seriam traficantes da região.

Como o morto já teve passagem pela puliça por envolvimento com o comércio de porcarias, os tiras acreditam que ele tenha sido vítima de um acerto de contas.

Terra de ninguém

O número de assassinatos na Maravilha do Atlântico cresceu mais de 42% em relação ao mesmo período no ano passado. A situação ficou feiosa há 10 dias, quando três homicídios foram registrados no prazo de duas horas. Uma das mortes, de Jair Rodrigues Siqueira, 30 anos, já tem o assassino descoberto, mas o traste ainda não foi preso. Como o povão tá apavorado com a onda de mortes violentas, as otoridades precisam se coçar.

Na semana passada, uma reunião foi convocada às pressas pelo vice-governador Leonel Pavan, em que participaram o secretário de segurança Ronaldo Benedet, o prefeito Edson Periquito e mandachuvas das polícias civil e militar. A city ganhou reforço de 48 meganhas e 20 tiras, que têm a difícil missão de dar um basta na bandidagem.

Também tão sendo realizadas blitze em pontos estratégicos da cidade, pelo menos três vezes por semana. Por enquanto, as medidas não deram muitos resultados.

  •  

Deixe uma Resposta