• Postado por Tiago

CAPA-BASE---IBAMA

Uma carrada de gaiolas foi apreendida

Fiscais do Ibama apreenderam 75 pássaros nativos da região que tinham aneizinhos de identificação adulterados. A falcatrua é feita pra negociar penudos que tão em situação irregular: ou foram caçados da natureza ou comprados de criadores picaretas. Os animais, entre eles cinco que são de uma espécie ameaçada de extinção, tavam num criadouro em Brusque, e foram todos levados pro zoológico da Santur, em Balneário Camboriú. O dono dos bichinhos vai ganhar uma multa no lombo e deverá responder pela sacanagem na dona justa. Se condenado, poderá ter que amargar até quatro anos de prisão.

Os fiscais do Ibama tinham recebido a denúncia de que Vilmar Antônio Daltroso, que tem autorização pra criar passarinhos silvestres, tava vendendo os bichinhos no mercado ilegal. Desconfiados, os bizolhudos pintaram de surpresa do viveiro dele, que fica na rua Bulcão Viana, bairro Azambuja, e flagraram a judiação.

Grande parte dos pássaros, entre eles trinca-ferros, coleiros, tico-ticos, canários e pixoxós, que tão ameaçados de extinção, tavam usando anilhas abertas ou amassadas, o que indicava a adulteração. Outros 10 bichinhos tavam sem nenhum tipo de identificação.

Como era criador regularizado, Vilmar ganhava as anilhas do Ibama, alegando que uma de suas passarinhas tava criando filhotes. Mas ele alargava os aneizinhos, que só podem ser colocados no pé do animal quando ele ainda tá na primeira semana de vida, e botava em pássaros adultos, criados ilegalmente, pra poder vender.

Além das anilhas de Vilmar, alguns pássaros também tinham aneizinhos que pertencem a outros criadores da região. Os caras serão investigados pelo Ibama.

De casa nova

Diante da falsificação, todos os penosos foram recolhidos e levados até o parque da Santur. As ferramentas que eram usadas pelo criador pra alargar as anilhas também foram recolhidas, e levadas como prova pelos fiscais.

O dono dos animais vai ganhar uma multa das grandes. São 500 pilas pra cada um dos pássaros, e mais R$ 5 mil pra cada um dos bichinhos ameaçados de extinção. A carcada deve ficar em torno de R$ 60 mil.

Todos os papélis do canetaço serão enviados pro ministério Público Federal e pra polícia Federal, pra que seja aberto um inquérito. Como os aneizinhos são considerados selo público federal, o que equivale a um documento, Vilmar poderá responder por crime de falsificação. Se condenado, tá sujeito a ficar de dois a quatro anos atrás das grades.

  •  

Deixe uma Resposta