• Postado por Tiago

Vai rolar neste sábado um festival pra celebrar os 36 anos da imigração japonesa em Itajaí. Artes marciais, artesanato, música, dança e comilança típica do outro lado do mundo serão oferecidos aos fãs de peixe cru, origami e kung-fu. A parada rola a partir das 18h, com apresentação de caratê e judô, na praça Genésio Miranda Lins, avenida Beira-Rio, na Fazenda.

Além do festerê da praça, a Fundação Genésio Miranda Lins também montou uma exposição integrada com as ações da festa do centenário da imigração japonesa no Brasil, realizada pela Associação Nipo-Brasileira de Itajaí.

A exposição é composta por peças do acervo do museu histórico peixeiro, como um conjunto de miniaturas representando o imperador e imperatriz do Japão e uma réplica de capacete de samurai, do período medieval. As peças são presentes da delegação da cidade-irmã de Itajaí, Sodegaura, em visita a city, em 1979. A mostra conta também com peças cedidas do acervo pessoal da imigrante Nobu Sekiguchi.

No evento, também vão rolar apresentações de Taiko (tambores) e Odori (Dança) do grupo Wakaba, da Associação Cultural e Beneficente Nipo-Brasileira de Curitiba, judô com a academia Zamboneti de judô, caratê com o Estúdio Global de Karatê, exposição de origami da professora do projeto Arte nos Bairros, Carla Lessa Bicudo, exposição de mangá da professora Eliane Moraes e rango japonês como yakitor, yakisoba, tempura, sushi, manjú e saquê.

Em junho de 1972 chegaram, em Itajaí, as cinco primeiras famílias de imigrantes japoneses, que formaram uma colônia no Rio Novo. Em janeiro de 1979, a prefa peixeira instituiu o acordo “Cidade-Irmã” com a prefeitura de Sodegaura, no Japão, de intercâmbio cultural e tecnológico, como o portal e o caminho de Sodegaura, na Beira-Rio. Arigatô!

  •  

Deixe uma Resposta