• Postado por Tiago

ABRE-SEIS-p---operacao-varredura

PM acredita que a operação Varredura vai ajudar a diminuir execuções

A city peixeira tá no topo de uma lista nada agradável. Itajaí é a cidade que mais teve assassinatos no mês de janeiro de 2010. Ela ficou à frente até de Florianópolis e Joinville, que tem o dobro da população itajaiense. Até agora, sete pessoas foram mandadas pro beleléu, sendo que duas delas ainda nem foram identificadas e tão na geladeira do instituto Médico Legal (IML) da cidade.

A polícia coloca a culpa da liderança do ranking no tráfico de drogas. Já a secretaria de Estado de Segurança Pública informa que, apesar de Itajaí ainda liderar o ranking maldito, houve uma queda nas estatísticas estaduais de assassinatos, se comparado com janeiro de 2009. Este ano foram 64 assassinatos em toda a Santa & Bela contra 77 registrados no ano passado. Uma redução de 31,25%.

Destes 64, sete rolaram na city peixeira, 11 na Grande Floripa, sendo somente seis na capital, e seis em Joinville. Balneário Camboriú, Camboriú e Navega tiveram uma morte violenta cada no mês de janeiro.

Em todo o estado, 80% das mortes ainda estão relacionadas à venda de porcarias e a arma mais usada pra matar é o berro. Outras características dos assassinatos ocorridos em janeiro é que a maioria rolou no meio da rua ou em barecos.

Culpa do tráfico

O tenente Carlos Alexandre da Silva, responsável pela comunicação da PM peixeira, diz que a maioria dos crimes de Itajaí está relacionada ao tráfico de drogas. ?Eles acontecem por causa de dívidas e desavenças. Mas desde terça da semana passada estamos com a operação Varredura e acreditamos que ela vai ajudar no combate ao tráfico. Tanto que desde este dia não aconteceu mais nenhum assassinato?, lembra.

O delegado Rui Garcia dos Santos, da central de Operações Policiais da Civil, concorda com o tenente: o motivo das mortes é o tráfico de drogas. ?Dos sete, apenas dois que, possivelmente, não estavam envolvidos com tráfico, porque morreram por engano?, diz o delegado. As mortes que o dotô cita é a do comerciante Gilmar Dorneles da Silva, 40 anos, acertado por uma bala perdida, na rua Carlos Otto Priess, no bairro São Vicente, e a do garçom Tiago Meireles Pereira, 25, morto no dia 31 de janeiro, em frente de um bar da rua Pedro Cristiano de Miranda, no São Vicente. Ele teria morrido no lugar do seu patrão.

Ainda perderam a vida na city: Adilson Delmoro, 21, morto no dia 27 de janeiro com três balaços num bar do loteamento Portal 1, nos Espinheiros; e Vanderson da Silva Santos, 21, que foi dessa pra uma melhor em 24 de janeiro, levando cinco tiros na rua Ivo Stein Ferreira. Completando as sete execuções, estão ainda Leandro Vicente e mais dois que continuam na geladeira do IML sem identificação.

O delegado Rui ainda lembra que destas sete mortes, apenas três não têm o assassino identificado. ?Do restante já estamos encerrando os inquéritos e nos próximos dias deve sair a prisão preventiva dos suspeitos?, finaliza.

  •  

Deixe uma Resposta